terça-feira, 30 de novembro de 2010

Sorria, você está sendo garfado

A profissão de mágico é antiga – talvez a mais antiga. O dicionário define um mágico como sendo aquele que é “perito em enganar as pessoas por destreza manual ou aparelhos preparados”. Shakespeare era mais direto: para ele mágico era um enganador, um falsário.
Na política é um estratagema mortal executado como política pela oligarquia Veneziana, que os leitores de “The Ghost-Seer” de Friedrich Schiller, ou de “The Bravo” de James Fenimore Cooper, irão se lembrar, talvez com um arrepio. A intenção dos mágicos venezianos é confundir suas vítimas convencendo-as que aquilo que seu sentido de percepção lhe diz, não importando o quanto seja bizarro, é a realidade. Dessa forma, não passa de um tipo extremo do empiricismo e utilitarismo Aristoteliano que permeiam a moderna sociedade e que são hoje incentivados por quase todas as universidades do mundo.
As vítimas desse embuste veneziano são fortemente pressionadas a rejeitar seu próprio julgamento sobre o que estão “vendo”. Mas, para ter sucesso, o mágico também necessita que a vítima deseje abandonar sua descrença, ou seja, que, em determinado estágio, concorde em ser enganada.
E, naturalmente, todo mágico de sucesso sabe que deve colocar um ou dois parceiros no meio da platéia para testemunhar, reforçando a argumentação de forma que todos ouçam: “Vejam! Vejam! A Lua é realmente feita de queijo verde! Eu vi com meus próprios olhos”.
Para os ingênuos, a ilusão mágica de liquidez financeira na região foi mantida até há pouco tempo por uma inflada bolha imobiliária (notadamente na Espanha e Inglaterra), e, especialmente, pelo carry trade do Brasil, um esquema internacional Ponzi, que, por décadas, tem dado aos especuladores financeiros uma taxa anual de 25% de retorno no capital aplicado proveniente de uma rapinagem extrema da população brasileira e da nação.
Nesse caso, o papel de mestre dos mágicos está sendo feito pela Casa Rothschild – instalada no Brasil há mais de 200 anos. Entre seus alvos despreparados, estão ainda as nações estratégicas da Rússia, China e Índia, precisamente os países que Lyndon LaRouche tem indicado como um uma combinação necessária de potências, ao lado dos Estados Unidos, para retomar a política de Franklin Roosevelt, com o objectivo de establecer uma aliança de Quatro Potências no intuito de substituir o sistema financeiro imperial britânico já quebrado, com um novo sistema de crédito internacional conformado para fomentar o desenvolvimiento atráves de alta tchnologia.
A mágica dos enganadores chama sua fraude de BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), uma concha vazia, uma ilusão com a única finalidade de descarrilhar a proposta das Quatro Potências de LaRouche, convencendo esses países que os Estados Unidos e seu dólar estão sendo destruídos e que o sistema Britânico do euro vai tomar seu lugar, com o apoio do carry trade brasileiro.
Examinando o carry trade brasileiro, o que faremos em detalhes mais baixo, vem à lembrança o escândalo do jogador de futebol Ronaldo, que em abril de 2008, após deixar sua namorada em casa, foi caçar prostitutas. Com três delas, já no motel, Ronaldo descobre que elas eram realmente eles. Na polícia, Ronaldo declarou que eles tentaram extorquir-lhe, liderados por Andréia – André Luiz Ribeiro Albertino.
Conclusão: as aparências enganam. Isso se aplica inteiramente tanto ao universo físico e político da Rússia, China e Índia, já que foram enganadas da mesma forma que Ronaldo. O carry trade brasileiro, como “Andréia”, não é aquilo que aparenta ser.
Obs: “carry trade” significa tomar dinheiro emprestado em um país a juros baixos, aplicar numa região que pague juros mais altos, pegar o lucro e aplicá-lo em outro país.
*Por Dennis Small and Gretchen Small - na revista Executive Intelligence Review(EIR).

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Brasil disfarçou luta antiterror, dizem EUA

 

O site WikiLeaks publicou documentos sigilosos indicando que, para os EUA, o Brasil disfarça a prisão de terroristas.
O relato foi feito em 2008 pelo então embaixador em Brasília, Clifford Sobel, e consta de lote de 1.947 telegramas da diplomacia americana na última década.
A Folha teve acesso exclusivo a seis telegramas. Tratam de ações de ativistas de origem árabe no país, mas não listam suspeitos de terrorismo detidos no Brasil.
São mais de 250 mil telegramas, de 1966 a fevereiro de 2010. Julian Assange, editor do site, diz que há provas de infiltrações políticas dos EUA em vários países.
Fonte: Folha de São Paulo

domingo, 28 de novembro de 2010

Francisco Vianna escreve: Mensagem ao esquerdopata

Francisco Vianna
Senhor ESQUEDOPATA,
Não poderia haver denominação mais apropriada para identificá-lo do que a que exibe em seu 'blog': O ESQUERDOPATA. Nos seus delíros confusos socialistas não consegue reconhecer sequer seus parentes ideológicos. Muito menos os que abominam essas doutrinas insanas, entre os quais, orgulhosamente me incluo.
Chamar-me de fascista -- se obviamente sabe o que isso significa -- é me acusar de adotar uma doutrina completamente antagônica a minha, pois NUNCA FUI SOCIALISTA NA VIDA (NEM QUANDO ERA MAIS MOÇO E MAIS BOBO), pois facismo, nazismo, comunismo, etc. SÃO SOCIALISMOS e, como tais, são demências sociais de parentesco direto e consanguinidade incestuosa, que não levam à nada a não ser ao atraso, à miséria e à morte. A história está aí, escancarada, para mostrar isso a quem tiver pelo menos um olho de ver...
Chamar, por exemplo, Adolf Hitler e Mussolini de "direita" é algo dígno de letra de "Samba do Crioulo Doido" ideológico, parafraseando o saudoso Sérgio Porto (o Stanislaw Ponte Preta).  Assim como Stalin, Lenin, Fidel Castro, Perón, e outros dementes, eles são socialistas e, portanto, de esquerda, da sinistra. Idem para Chávez e seu amante Ahmadinejad e o 'voyeur' dos dois, Lula da Silva. Como tanto, sendo o socialismo uma sociopatia, são todos como você, de esquerda, e, pois, ESQUERDOPATAS. 
Gosto que me chamem de REACIONÁRIO, pois me orgulho em REAGIR. Aprecio que de chamem de DIREITA, pois me dá a sensação de que eu tenho uma formação DIREITA e não errônea. Por favor, chame-me de CONSERVADOR, pois me dá a certeza de que conservo meus valores culturais e civilizacionais judaico-cristãos.
Não confunda as coisas. Está querendo enganar a quem? De certo a você mesmo...
VAMOS ENDIREITAR ESSE PAÍS!

O estelionato da fome zero.

Na tentativa de minimizar um dado grave, gravíssimo, vergonhoso, criminoso, que só aparece depois das eleições, um petralha do Ministério do do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, tenta justificar dizendo que o Brasil ter quase 12 milhões de brasileiros famintos, em insegurança alimentar,é um problema que aparece até mesmo nos Estados Unidos, mas que estamos muito melhor do que o México.
A pergunta é: e nós com isso? O Lula e a Dilma não passaram toda a campanha eleitoral dizendo que tiraram 30 milhões da miséria?
Como é que agora são apenas 3,7 milhões que deixaram de passar fome nos últimos 5 anos?
Leiam com atenção a matéria do Estadão (http://bit.ly/i8ZvWj).
Li no blog Coturno Noturno

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Beltrame e a UPP do B!

Beltrame estava constrangido porque sabe que teve de trocar a UPP pela UPP do B!
Vamos lá. É evidente que eu me integro ao esforço patriótico contra a barbárie nas ruas e nas favelas do Rio. Sempre que os bandidos estiverem de um lado, eu estarei DE outro, mas não necessariamente DO lado de uma política oficial errada. Em 2006, em São Paulo, também foi assim. O PCC deu ordem para barbarizar, a polícia foi para as ruas, botou ordem na bagunça. O que acho positivo desta vez, na comparação com o que se deu em São Paulo, é que não há, pelo menos até onde alcanço, jornalistas tentando ouvir advogado de bandido como se fosse o “outro lado”. Naquele caso, a desordem era, claramente, uma tentativa de influir nas eleições. Desta feita, reinou a paz pré-eleitoral — tanto é assim que as UPPs foram um cabo eleitoral e tanto —, e a confusão, estranhamente, se deu depois. Se eu fosse jornalista investigativo, veria um monte de chifre na cabeça desse cavalo. Isso parece jabuti na mão do Chico Buarque: há algo de estranho aí. Fica até parecendo que há reação a algum acordo não-cumprido.
Vi ontem no Jornal Nacional uma entrevista de José Mariano Beltrame, secretário de Segurança do Rio. Ele sabe que teve de mudar a sua política, tanto que se nota certo constrangimento, ainda que isso não seja, de modo nenhum, explorado pela imprensa. O clima patriótico não deixa. QUAL ERA UMA DAS RESERVAS DESTE ESCRIBA CONTRA A TAL POLÍCIA PACIFICADORA? O governo se orgulhava, para júbilo dos “pacifistas”, de ocupar morros sem dar um tiro e sem prender ninguém. Aliás, o aviso era feito com antecedência. Quem achasse por bem deveria cair fora. E uma parte caía. O essencial ficava para negociar. Vocês leram em algum lugar que o tráfico está extinto nos morros “pacificados”?
Qual era a minha outra reserva com a política anterior? Se ninguém é preso, a bandidagem vai se alojar em outro lugar — convertida à “religião” da cidadania é que não foi. E foi o que vimos ontem nas imagens aéreas transmitidas pelo Jornal Nacional: um verdadeiro exército armado migrando da Vila Cruzeiro para o Complexo do Alemão. Um dia, eu sei, a polícia chegará lá. Mas fica a pergunta: chegará como tem feito neta semana, PRENDENDO BANDIDOS (bem poucos ainda) ou chegará como vinha fazendo, ESPALHANDO OS BANDIDOS?
O jornalismo pode ignorar a MUDANÇA DA POLÍTICA, mas Beltrame, ele próprio, não ignora. Na declaração de ontem, afirmou que “prender bandido é importante, que apreender droga é importante, mas o mais importante é recuperar o território”. A frase está errada: a recuperação do território é o objetivo. E deve ser alcançado prendendo os bandidos e apreendendo as drogas. Não há uma hierarquia nessas ações. Ocorre que ele tenta, no discurso ao menos, conciliar a política de agora com a política de antes, passando a impressão de que se trata de um conjunto de ações, de continuidade.
E não é verdade. Os fatos me dão razão. O governo do Rio acreditou certamente que poderia haver milagre; que bandido com menos emprego no mundo crime — os pés de chinelo do tráfico das áreas “pacificadas” estão desempregados — talvez procurasse trabalho honesto. A escalada dos crimes comuns na cidade já sugeria que a coisa não era bem assim. E não era mesmo!
O lugar de toda aquela gente que vimos fugindo é a cadeia. Se não deu para prender hoje, que se tente amanhã, depois, quando for possível. O QUE CABRAL E BELTRAME NÃO PODEM MAIS É “PACIFICAR” ÁREAS TOMADAS PELO NARCOTRÁFICO SEM PRENDER NINGUÉM. ESSA POLÍTICA FOI PARA A CUCUIA. ATÉ PORQUE, SE DESSE CERTO PARA O RIO, SERIA UMA TRAGÉDIA PARA OS ESTADOS VIZINHOS: O RIO SE TORNARIA EXPORTADOR DO CRIME.
Beltrame estava ontem um tanto constrangido porque sabe que teve de trocar a UPP pela UPP, a Unidade de Polícia Pacificadora pela Unidade de Polícia Prendedora — que batizei aqui de “UPP do B”. Sempre destacando que prendeu muito pouco até agora. E bandido solto, como sempre adverti aqui, é um  problemão!

MST tenta politizar traficantes da Rocinha

A deputada federal Marina Magessi (PPS-RJ) afirmou hoje à CPI das Milícias da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro que integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) estão tentando politizar os traficantes que dominam a favela da Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro. Segundo Magessi, cerca de 20 membros do MST apóiam candidatos da comunidade e convencem os criminosos a realizarem uma revolução social.
A parlamentar disse que na posse do presidente da associação de moradores da Rocinha, Claudinho da Academia (que é candidato a vereador pelo PSDC e, segundo investigação da polícia civil, seria apoiado por traficantes da comunidade), havia bandeiras do MST e a presença do ex-coordenador nacional do movimento José Rainha.
"Eu me preocupo com a presença do MST na Rocinha, com o convencimento nos traficantes que mandam ali de que eles podem virar salvadores da pátria. Nós já tivemos isso antes com o Marcinho VP. O MST tem uma força política muito grande", alertou.

*Li no http://blogdomariofortes.blogspot.com/

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

República da grampolândia

A articulação para ressuscitar a Telebrás é a cortina de fumaça de uma operação do petismo para assumir o controle da telefonia.
Abiscoitando as contas públicas, a direção da estatal, nomeada pela presidência da República, terá a chave da impunidade, porque saberá de todas as ordens judiciais de quebra de sigilo telefônico contra autoridades do governo que forem alvo de investigações sigilosas de suas malfeitorias.
Como na Receita, a direção da Telebrás, de confiança do petismo, pode até quebrar ilegalmente sigilos telefônicos, e sem deixar rastro
Se a Telebrás controlar as contas públicas, políticos (sobretudo de oposição) e até magistrados podem ter seus telefones monitorados.
Tramam para a Telebrás controlar a telefonia seu presidente, Rogério Santana, e Cesar Alvarez, que era assim, ó, com Erenice Guerra.
*Texto: Coluna do Claudio Humberto

8 anos de bandalheira

Faltam poucos dias para que o maior delinqüente da Historia Universal deixe o cargo que ocupa. O famigerado ignorante Mula da Silva que depredou ,avacalhou,roubou,corrompeu e zombou de tudo , de todos e todas as Instituições de Estado e transformou o Brasil numa grande pastagem de ‘bois” e no maior antro de delinqüentes do mundo!
Foram 8 anos de BANDALHEIRAS, 8 anos de todos os tipos de patifarias e sacanagens contra a nação e contra a DEMOCRACIA. Mula da Silva, fantoche da banca internacional (Nova Ordem Mundial) fez tudo o que seus patrões ordenaram, entregou parte do território nacional(Reserva Raposa do Sol) seguiu a risca a política economica ENTREGUISTA de FHC, onde pagamos os IMPOSTOS mais ALTOS e a maior CARGA TRIBUTARIA MUNDIAL,temos ainda os aberrantes e absurdos JUROS MAIS CAROS DO MUNDO, temos as mais CARAS tarifas de telefonia do mundo, a GASOLINA mais CARA do mundo e sem qualidade,entre tantas outras coisas que seria cansativo enumerar todas. O desemprego e o subemprego são records!
A VIOLENCIA e a CRIMINALIDADE estão FORA de CONTROLE! A Justiça está DESMORALIZADA(pelo próprio mula da silva) A infraestrutura, estradas,rodovias,transportes de massas urbanos, aeroportos e portos estão SUCATEADOS e em estado de COLAPSO já intermitente e passando a TERMINAL...Mula da silva ,cínico e hipócrita, passou 8 anos em cima de um “palanque’ trombeteando que “ nunca antes na historia deste pais!”...
O Brasil esteve quase na “perfeição”.. A saúde publica esta em estado de CALAMIDADE, doenças facilmente erradicáveis grassam soltas por falta de investimentos em saneamento publico, em campanhas de vacinações e o povo esta MORRENDO aos milhares pela DENGUE,MALARIA,FEBRE AMARELA,SARAMPO E MENEGITE!!! As emergências dos HOSPITAIS são um MATADOURO HUMANO por falta de condições e de pessoal. O numero de LEITOS hospitalares caiu em 8 anos (IBGE) 11%!!! Escolas e educação publica a PIOR do MUNDO! (vide ENEM) e para encurtar este pequeno relato de HORRORES ,fechamos com o ASSOMBROSO valor que mula da silva aumentou e deixou para o povo brasileiro pagar!
A DIVIDA INTERNA criminosamente turbinada por Mula da silva é de R$ 2 TRILHÕES e 800 BILHÕES DE REAIS!!! E a DIVIDA EXTERNA esta na faixa de USD$280 BILHÕES!!!(impagável) e o Brasil pagando 90 bilhões de dólares de JUROS anuais da Divida Externa que o mentiroso Mula da silva afirmou ter “zerado”!!!
Dados oficias publicados pelo desgoverno recentemente.
No cenário político foram 8 anos de desmantelo, desmoralização e aparelhamento do estado por elementos desqualificados partidários da bandalha do partido do mula da silva que incharam a administração publica e lá estão como PARASITAS sugando o erário publico sem competência ou necessidade funcional, apenas como apaniguados do Mula da Silva e assim continuarão com a FANTOCHE nr. 2 a ex-terrorista , agora “presidenta” Dilma Rabugem. O Congresso nacional em 8 anos foi protagonistas dos PIORES escândalos da REPUBLICA: mensalão, mensalinho, CPI´s abafadas,Sarney e seus atos secretos,Renan e sua amante, Sanguesugas,Ambulâncias superfaturadas entre tantos outros.
Mais o pior da política foi o papel PODRE da “OPOSIÇÃO”
O PSDB se revelou um partido político bem pior que o PT, muito pior! Esta bandalheira toda começou em 1986 com o PAI da CORRUPÇÃO brasileira o “Maribondo de fogo” José Sarney,seguiu com o Collor e subiu escandalosamente com o FHC que a turbinou e fez UP GRADE para que MULA DA SILVA fosse a “CEREJA DO BOLO”. Este, deu a corrupção o TAMANHO E A TEXTURA COLOSSAL DA MAIOR BANDALHEIRA DO UNIVERSO!
Mula da Silva transformou TODO o ESTADO brasileiro em uma COLOSSAL banca de “negócios escusos” foram milhares de ESCANDALOS todos ABAFADOS pela imprensa comprada e calada por Mula da silva. A OPOSIÇÃO viu tudo e ficou CALADA... em 2005 podiam ter DESPEJADO por IMPEACHMENT o desbragado MULA da Silva e não o fizeram...e o resultado é o que se vê!
OPOSIÇÃO ??? nunca foram OPOSIÇÃO! Perderam com o socialista do Serra em 2006 e perderam de novo com o mesmo INCOMPETENTE agora...Assistimos a maior FARSA eleitoral do mundo , Serra jogando para perder,claramente,visivelmente, aquilo não foi campanha eleitoral! Serra agiu tal qual um comparsa de lula para eleger a Dilma e instalarem o COMUNISMO no Brasil seguindo as regras da WNO(Nova Ordem Mundial ) travestida de O.N.U e aqui com um braço do FORO DE SÃO PAULO, fundado pela Mula da silva.O Brasil é o maior “LABORATORIO HUMANO” para experiências de todos os tipos, sociológicas,econômicas,sociais e eleitorais entre tantas outras, aqui implementaram as URNAS ELETRÔNICAS que para uma pessoa que tenha o BOM SENSO no lugar sabe, que no BRASIL isto é igual a FRAUDE! Este sistema de URNA é sujeito a VIOLAÇÃO e FRAUDE e foi implantada pelo famigerado socialista a mando da Fundação Ford e da ONU o abutre FHC! De lá para cá eles FAZEM o que querem! E agora vão aprovar a participação popular para tudo... e haja URNAS ELETRONICAS em PLEBESCITOS E REFERENDOS!!! A NWO vai deitar e rolar ...
O mula conseguiu TUDO que queria! Entrou como pobre e saí como o homem mais rico da America Latina com uma fortuna estimada em mais de 2 BILHÔES de dólares sem contar com a assombrosa riqueza do Mulinha que ficou RICO em 8 anos ! de limpador de Zoo para Bilionário com “painho” na “presidência”!!! e nenhuma AUTORIDADE DE ESTADO VIU NADA...,RECEITA FEDERAL, POLICIA FEDERAL, MPU,STF,PGR,TCU NADA VIRAM NESTE 8 anos de ESCANDALOSOS E ASSOMBROSOS HORRORES DA ADMINISTRAÇÃO DE MULA DA SILVA E SEUS COMPARSAS!!!! A prova incontestável do aparelhamento da administração , fechou com chave de ouro o MEGA ESCANDALO “ERENICE CASA CIVIL” que era tão monstruoso QUE DAVA E DÁ para derrubar até Brasília inteira ou seja a REPUBLICA TODA! E no que deu até agora???? NADAAAA! Nem vai dar...esta tudo dominado! A bandidagem agora veste Armani... e usa bolsas Vuiton..de 40 mil reais cada!
Esse é o epilogo da grande bandalheira de Mula da Silva que entra para a Historia como o MAIOR bandalha do Universo! O maior traidor, o maior VELHACO, hipócrita,demagogo,ególatra,boçal,vigarista,mentiroso,trapa-ceiro,béocio,corrupto,ladrão,bandido,salafrario,cafageste, pederasta(menino do MEP), zoófilo (comeu cabras e cabritas (ver Revista PLAYBOY 1979,entrevista) enfim este MONSTRO é o TITULAR de TODAS as DELINQUENCIAS e de TODAS as VILANIAS que praticou DESCARADAMENTE AO LONGO DESTE 8 longos anos de sua INFELIZ passagem pela chefia da “pastagem de bois” de que elle transformou a nação!
Sinceramente , Eu tenho pena da fantoche da Dilma que esta sendo e vai ser USADA por elle como marionete, em sua continuação pela Mula ,como o “porta-voz” dos seus donos da NWO. Dilma vai sofrer o pão que o diabo amassou ... (já está sofrendo,perdendo o restinho da saúde) Duas poderosas gangs já estão disputando na porrada, a céu aberto com quem fica o “filé”... o PMDB vai de “blocão” e o PT “vai de dentes!” 2011 promete!
Ao Mula ; Fique certo que você vai PAGAR por TODO os seus PODRES no INFERNO!!! e sua PODRIDÃO ficará aqui na Terra, registrada devidamente na Historia, que um dia será contada assim como foi contado os PODRES do famigerado e “todo poderoso STALIN...
Sua alma sebosa vai penar horrores no INFERNO umbralino por toda a eternidade ou quase toda...
O Pai Eterno ,tudo vê e tudo sabe.
Da Justiça Dele ,você NÃO ESCAPA!

Fonte: http://alaricotrombeta.blogspot.com/2010/11/epilogo-de-8-anos-de-bandalheiras.html

Brasileiro tem memória?

Lembram-se da Ídeli Salvati amedrontando testemunhas na CPI do Mensalão? Do presidente do PT dizendo que não leu quando assinou o empréstimo não pago ao Banco Rural? Do Delúbio não respondendo às perguntas na CPI? Do Marcos Valério e seu propinoducto? Se você se lembra, você é um delirante, pois nada disso existiu, conforme diz nosso Lula, o mandrake tropical. Tudo foi apenas um golpe da imprensa e das elites , contra seu governo popular, sabia? Se você não concorda, você ou é golpista ou é delirante. Assim falou Lula, o mandrake de garanhus.
*Valfrido Medeiros Chaves, por e-mail, via resistência democrática

A sombra da morte !

Como, exaustivamente, venho postando neste espaço, um dia ,a Lei de Causa e Efeito,revelaría o assassinato de Celso Daniel, pondo à luz um dos mais sórdidos esquemas de corrupção já instalados no país, acompanhado de uma série de eliminações de testemunhas, que de uma forma ou de outra, estavam ligadas à morte do prefeito.
Uma quadrilha, ligada ao PT, cobrava propinas em Santo André, com o conhecimento do prefeito Daniel, dinheiro que era destinado à campanha eleitoral de Lula, em 2002.
Como em determinado momento, a partilha foi ficando "mal dividida", em prejuizo da campanha do Grande Timoneiro, Celso Daniel, resolveu interromper a "cobrança..."
Segundo Sombra, secretário de Celso à época, após um jantar com o ex-prefeito, saíram, tendo Sombra, tomado a direção de um utilitário no qual transportava Celso Daniel.
Ainda pela versão do ex- secretário, o carro, em uma estrada deserta, foi albaroado por outros veículos e alvejado por um tempo que naõ soube avaliar; a acreditar no relato do auxiliar, Celso, não conseguiu  abrir a porta do utilitário e terminou sendo assassinado, por "assaltantes comuns..."
Corolário: mais sete pessoas foram eliminadas, ao longo do tempo, culminando com o "extranho" suicídio do médico legista, que afirmara, que o prefeito fora torturado antes de ser eliminado.
Detalhe mórbido: Daniel foi encontrado, nú, apenas de cueca virada do lado do avesso; marca conhecida no submundo, para estigmatizar o morto, como traidor.
Esta em geral, é a estratégia do PT ! Fiz questão de relatar o caso em estilo de boletim de ocorrência, tentando reproduzir o que os poucos noticiários honestos o fizeram !

Receita pode ter livre acesso a transações financeiras do contribuinte

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quarta-feira que a Receita Federal pode quebrar o sigilo bancário de contribuintes investigados sem necessidade de autorização judicial, desde que não divulgue as informações obtidas. Por 6 votos a 4, o tribunal derrubou uma liminar concedida por Marco Aurélio Mello, que impedia a quebra direta do sigilo bancário de uma empresa, a GVA Indústria e Comércio, pelo Fisco.
O ministro afirmava que deveria ser seguida parte da Constituição sobre a “inviolabilidade do sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas”, que permite a quebra somente por decisão da Justiça. Em sua decisão, ele determinava que “nenhuma informação bancária da empresa seja repassada à Receita Federal até a decisão final do Recurso Extraordinário”.
Na sessão desta quarta, porém, a maioria de seus colegas entendeu que uma lei de 2001 permite a obtenção das informações sem a intermediação do Judiciário. Apesar de ser uma decisão válida apenas no caso específico e na análise de uma liminar, ela reflete de forma ampla o entendimento do Supremo sobre o tema.
No fundo, o Supremo afirmou que é válida a Lei Complementar 105. Ela permite que autoridades e agentes fiscais tributários da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios tenham direito de acessar “documentos, livros e registros de instituições financeiras, inclusive os referentes a contas de depósitos e aplicações financeiras” de contribuintes que respondam processo administrativo ou procedimento fiscal. O caso dividiu os ministros e só foi resolvido após dois pedidos de vista.
*Li em http://apoiotributario.blogspot.com/

Entrevistando o patrão

O presidente Lula,  não poderia conceder uma entrevista coletiva exclusiva para os blogueiros que apoiaram Dilma. Afinal, ele é presidente do Brasil. Se a entrevista tivesse sido feita para blogueiros ( de qualquer corrente ideológica), seria natural, porém TODOS os blogueiros que fizeram parte da entrevista, foram escolhidos por uma comissão de “Jornalistas” ( sem diploma) progressistas, entre eles: Paulo  Henrique Amorim e Nassif.
TODOS ELES RECEBEM VERBAS DO GOVERNO, PARA MANTER SEUS BLOGS. EM COMPENSAÇÃO, OS CITADOS BLOGUEIROS DEFENDEM O GOVERNO E DE FORMA DIRETA E INDIRETA, FIZERAM CAMPANHA PARA DILMA.
Em outras palavras, a rara entrevista coletiva foi feita pelo patrão para seus blogueiros.
* Texto de Jorge Roriz

O país imaginário de Luiz Inácio

De todos os presidentes que o Brasil já experimentou em seus 121 anos de República, provavelmente nenhum teve tanto sucesso em criar um mundo imaginário como Luiz Inácio Lula da Silva. às vésperas de passar o cargo para a sua sucessora, Lula dá a impressão, pelo menos quando fala em público, de acreditar cada vez mais num Brasil que inventou na sua própria cabeça - um Brasil curiosamente parecido com o paraíso terrestre que se pode ver todos os dias na televisão, nos anúncios da Petrobrás, do Banco do Brasil e de outros agentes da propaganda oficial.
É como se o presidente assistisse àquilo tudo, na sua poltrona do Palácio do Planalto, e acreditasse, realmente, que está olhando para um documentário com a imagem de fatos reais; casais felizes correndo com os filhos em gramados impecáveis, operários entusiasmados, transbordando de alegria em uniformes cortados sob medida e sem a mínima mancha de graxa, rostos de todas as raças com sorrisos luminosos nos lábios, máquinas de última geração, plataformas de petróleo em mar de almirante, fábricas do terceiro milênio, usinas espetaculares, todo um mundo de eficiência, operosidade e riqueza.
*Extraído do texto de J R GUZZO, na Veja

Como dizer sandices sem perder a pose

Mentecapto é o sujeito mentalmente desordenado, destituído de bom senso, já o psicopata é aquele que apresenta comportamentos anti-sociais e amorais. Nada impede que um mentecapto também seja um psicopata ou vice-versa.
Agora, quando essas duas características são emolduradas por um bêbado inveterado, chega-se ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os acontecimentos, especialmente os mais recentes provam de forma cabal essa afirmativa.
Nesse dia 30 de agosto passado, quando se dedicava exclusivamente em fazer campanha eleitoral para sua candidata Dilma Rousseff, seguido por um séqüito de asquerosos bajuladores, que são até capazes de rir e aplaudir seus fétido flatos, participou no Morro Santa Marta, na zona sul da cidade do Rio, do lançamento de um projeto de turismo que vai transformar comunidades pacificadas cariocas em pontos turísticos. Ele destacou que é possível ter paz quando o Estado cumpre sua função, oferecendo educação, saúde, cultura, lazer e segurança. Também elogiou o modelo de policiamento comunitário adotado no Rio de Janeiro, as chamadas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), e disse que espera ver, em breve, o modelo implantado em todo o país.
Para não perder a viagem, cometeu sua gafe quando chamou a favela de Santa Marta, de Santa Bárbara, alertado do erro, foi no seu baú de desculpas esfarrapadas e sacou a primeira, afirmando: “Quem não é daqui, não tem essa obrigação de conhecer o nome. Só quem é da comunidade que tem a obrigação de saber isso”
Fato que permite a quem não tenha gabinete no Palácio do Planalto, de chamá-lo Palácio da Mãe Joana. (os acontecimento entre as paredes palacianas, mostram que quem fizesse essa confusão não estaria de todo errado).
Mas o assunto não é esse. A tal segurança que estava instalada no Rio de Janeiro e que seria ótimo que o estivesse no Brasil inteiro, simplesmente não existe, como provam os graves incidentes que vem acontecendo desde domingo.
Domingo na importante via expressa da cidade, a Linha Vermelha. Homens armados roubaram ocupantes de três veículos de passeio e, na fuga, atearam fogo nos carros. Motoristas que viram as cenas de terror ficaram assustados e voltaram na contramão.
Durante a fuga, os criminosos ainda fuzilaram e lançaram uma granada em um veículo da Aeronáutica que trafegava pela via expressa. O motorista, um sargento, conseguiu escapar pela porta do carona e fugiu.
Sentindo-se fortes e impunes os bandidos voltaram a agir no dia seguinte com igual ousadia e violência. Cinco homens armados interromperam o trânsito no local conhecido como Trevo das Margaridas, um dos principais acessos a vias expressas importantes como Avenida Brasil e Rodovia Presidente Dutra. Os assaltantes pararam 3 carros e roubaram pertences de ocupantes. Em seguida, atearam fogo em uma van e em dois carros de passeio.
Como se não bastasse, ao longo do dia (20) motoristas também foram roubados em arrastões ocorridos na zona norte e na zona sul, sendo que um deles ocorreu perto da sede do governo do Rio, o Palácio Guanabara.
Como se pode ver, não é só o Palácio do Planalto que foi transformado em casa a Mãe Joana, foi o país inteiro.
*Texto de Giulio Sanmartini

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Renan critica PT e esculacha Mercadante

Respondendo indagações sobre a futura eleição à presidencia do senado, Renan Calheiros diz apoiar Sarney. Mas pode ser a bola da vez, emboara não assuma a condição de candidato.
Em entrevista a Folha Poder, disse Renan:
A eleição do Senado:
"...A permanência dele (José Sarney) é o que causa menor atrito, não abre guerras de vaidades para um início de governo que tem quase 70% de apoio no Congresso. O sentimento que vivemos hoje é o de continuidade. Não se mexe em time que está ganhando."
A pretensão do PT:
"Essa discussão pode reabrir atritos, sobretudo se for conduzida pelo Mercadante. O Mercadante é um trapalhão, um aloprado de sempre, mesmo sem ser senador [o mandato dele se encerra em dezembro] ele quer influir na eleição para a presidência do Senado, uma coisa ridícula. Toda vez em que ele tentou articular no Senado, perdeu. É desastroso nisso. O clima no Senado é de conciliação, não de atrito."
COMENTO: Com o PMDB não se brinca.Com Renam, pior...Se o governo pensa que vai impor alguma coisa no Senado, saiba que terá que "negociar" muito...
*Li no http://blogdomariofortes.blogspot.com/

“Non ecziste”, Cabral!!!

Os estúpidos de sempre vêm com a cascata de que eu não me conformaria com a “ocupação pacífica das favelas do Rio” e que estaria defendendo a violência. Defendendo a violência? Eu? Ora… Só estou negando que existam milagres na segurança pública. “Ocupação pacífica”, na forma como vem sendo feita, não é ocupação, mas DIVISÃO pacífica de território. O problema é que a elite do crime organizado nas favelas foi chamada para o banquete, mas os pés-de-chinelo ficaram fora do acordo. Uma abordagem não ideológica da questão, que não esteja pautada pelo “mito da paz”, vai apontá-lo. Se Sérgio Cabral descobriu a poção mágica que acaba com o narcotráfico sem acabar com o narcotrafricante, é o caso de patentear, engarrafar e vender. Eu entendo que os “descolados” e “descoletes” do Rio, inclusive da imprensa, queiram declarar que “o Rio está em paz”. O chato é que os russos não concordaram. A solução mágica esbarrou, lá vai uma ironia (ultimamente, é preciso advertir…), na luta de classes do crime organizado. Uma saída para a Polícia do Rio é pedir aos “chefões pacíficos e pacificados” que coloque ordem nos nativos, entenderam?
Há ainda a hipótese de que as milícias estejam por trás da desordem. Pode ser. Esse é outro cancro que se instalou na cidade — esse tipo de criminoso existe em vários países do mundo; no Rio, virou uma indústria. A ser assim, então a onda de crimes nada tem a ver com a instalação das UPPs, não é? Uma coisa é certa: ainda não se inventou nada melhor para a segurança pública do que bandido dentro da cadeia e gente comum fora dela. Os modos para se chegar a isso podem variar: com mais ou com menos inteligência, com mais ou com menos armas, com mais ou com menos confrontos. Inéditas seriam — e, como se vê, ainda não foi desta vez — a diminuição da criminalidade e a paz  com todos dividindo a ágora da democracia: bandidos e homens comuns.
Como diria Padre Quevedo sobre os fantasmas, isso “non ecziste“!
Por Reinaldo Azevedo

A guerra entre as Coréias continua...

Coluna de fumaça é vista na ilha sul-coreana de Yeonpyeong após ataque
O Ministério da Defesa da Coreia do Sul disse nesta terça-feira que o disparo de projéteis efetuado pela Coreia do Norte e que deixou no mínimo dois mortos foi uma violação clara do armistício entre os dois países, e que o governo norte-coreano havia planejado os ataques intencionalmente. "Esse é um ataque intencional e planejado... e é claramente uma violação do armistício", disse Lee Hong-ki, autoridade do Ministério da Defesa, a jornalistas.
A artilharia da Coreia do Norte disparou nesta terça-feira (23) dezenas de projéteis contra uma ilha sul-coreana, em um dos mais pesados bombardeios contra o sul desde a Guerra da Coreia (1950-1953). Pelo menos dois soldados morreram  e 15 ficaram feridos, alguns em estado grave, segundo o ministério da Defesa sul-coreana. Forças sul-coreanas revidaram e enviaram um jato de combate para a área.
A TV sul-coreana YTN afirmou que pelo menos 200 tiros foram disparados contra Yeonpyeong, que fica na costa ocidental da península dividida entre as duas Coreias. A maioria dos projéteis caiu em uma base militar sul-coreana.
"As casas e montanhas estão sob fogo e as pessoas estão sendo removidas. Não dá para enxergar direito por causa das nuvens de fumaça", disse uma testemunha na ilha à TV YTN. "As pessoas estão apavoradas. Enquanto falamos, os disparos continuam."
As autoridades pediram aos 1.700 habitantes da ilha que evacuem a área, enquanto as imagens de televisão mostram altas colunas de fumaça e casas em chamas.
Os disparos norte-coreanos iniciaram por surpresa às 14h34 local (3h34 de Brasília) sobre a ilha de Yeonpyeong, na zona fronteiriça do Mar Amarelo.
Imediatamente depois, o Estado-Maior sul-coreano enviou uma mensagem telefônica à Coreia do Norte através de uma linha especial para pedir que o vizinho cessasse os disparos, que não voltaram a se repetir até o momento.
O exército da Coreia do Sul se encontra em estado de alerta máximo e já mobilizou caças de combate F-15 e F-16 na região. O presidente, Lee Myung-bak, pediu contenção para evitar uma perigosa escalada da violência.
Uma reunião de emergência doConselho de Segurança da ONUestá em preparação após o ataque da Coreia do Norte a uma ilha da Coreia do Sul, informou em Paris uma fonte diplomática francesa à agência de notícias AFP.
A Casa Branca condenou fortemente o ataque e exigiu o fim das ações. "Os Estados Unidos condenam fortemente um ataque de artilharia desfechado pela Coreia do Norte contra uma ilha da Coreia do Sul e pedem à Coreia do Norte que interrompa suas ações beligerantes", disse a Casa Branca em um comunicado.
A União Europeia (UE) condenou "firmemente" o ataque da Coreia do Norte. "Estou profundamente preocupada com os acontecimentos de hoje na península coreana, que provocou vítimas entre militares e civis sul-coreanos", disse Catherine Ashton, chefe da diplomacia europeia. "Condeno com firmeza este ataque", acrescentou.
O ministro britânico das Relações Exteriores, William Hague, condenou "energicamente" o ataque norte-coreano. "O Reino Unido condena energicamente o ataque não provocado pela Coreia do Norte à ilha sul-coreana Yeonpyeong. Estes ataques não provocados só conduzem a mais tensões na península coreana", disse o ministro.
A Rússia vê "um perigo colossal" na escalada da violência na península coreana, disse o ministro do Exterior Sergei Lavrov. "É necessário encerrar imediatamente todos os ataques. Há um perigo colossal que deve ser evitado. A tensão na região está aumentando", disse Lavrov a jornalistas durante visita ao Belarus.
A China expressou preocupação com as informações sobre o ataque norte-coreano a uma ilha sul-coreana nesta terça-feira, no último incidente na escalada de tensões na península que faz fronteira com o território chinês.
A China é o único aliado expressivo da Coreia do Norte. A ajuda econômica e o apoio diplomático chinês são importantes para o isolado país comunista, cujo líder, Kim Jong-il, visitou a China duas vezes este ano para fortalecer as relações bilaterais.
Ataque a ilha
O presidente sul-coreano disse que é preciso ser dada uma resposta firme ao ataque contra a ilha de Yeonpyeong, situada a apenas 120 quilômetros da capital, Seul. Desde que foi eleito presidente, há cerca de três anos, Lee vem adotando uma linha política dura em relação ao Norte.
As duas Coreias ainda estão tecnicamente em guerra, já que o conflito dos anos 50 terminou sem a assinatura de um acordo de paz, mas apenas com um armistício.
No começo do ano, a tensão na península coreana subiu drasticamente, depois que o governo sul-coreano acusou o Norte de ter torpedeado uma de suas embarcações navais, causando a morte de 46 marinheiros.
*Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/internacional/2010/11/23/coreias-trocam-acusacoes-apos-ataque-em-ilha-que-deixou-dois-mortos.jhtm

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Empregos: Mais um engodo de Lulalá...

Do ex-blog do Cesar Maia:
1. Pesquisa da UNB desmonta a propaganda do governo Lula sobre a criação de empregos com carteira assinada. Na verdade são empregos precários, criados pela fiscalização e em seguida descontinuados pelo empregador.
2. Empregos no Brasil duram menos de dois anos, diz pesquisa da UnB. 40% das pessoas que trabalham com carteira assinada perdem o emprego todos os anos, uma taxa altíssima de rotatividade. 50% dos empregos duram menos de 24 meses; 25% duram menos de oito meses. Apenas 25% têm duração maior que cinco anos, segundo dados do Caged. Metade dos trabalhadores brasileiros fica menos de dois anos no mesmo emprego. Essa é uma das conclusões da pesquisa feita por Roberto Gonzalez, sociólogo e mestre em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB).
*Clique aqui e conheça o resumo da pesquisa.

Meu netinho, minha vida

Chega-nos, por e-mail, a seguinte informação:
A presidente eleita Dilma Rousseff  preparou-se para receber o lindo netinho Gabriel, na Granja do Torto. Na tarde desta segunda-feira, chegou à residência oficial um berço e um colchão de bebê comprados na loja Enlace Móveis Infantis.
O caminhão da loja chegou à Granja às 14h40m da segunda-feira, dia 22.
As compras foram feitas no último dia 17, por Marly Ponce Branco, secretária do governo de transição, em nome da Presidência, possivelmente, com cartão de crédito corporativo.
O berço custou R$ 635 e o colchão R$ 115. Gabriel é filho da única filha de Dilma, Paula, e do advogado Rafael Covolo.
QUEM PAGOU ISTO? ORA! EU E VOCÊ!

Perigo: Caso Banco PanAmericano pode não ser caso isolado...

Já existem fortes temores no mercado financeiro a respeito da saúde dos bancos brasileiros de porte médio, porque continuam insondáveis as verdadeiras dimensões do rombo no Banco PanAmericano.
. O governo Lula meteu-se numa armadilha ao entrar de sócio no banco de Silvio Santos, ao autorizar a compra de 49% do seu controle por parte da Caixa Federal.
. O governo Lula já tinha feito algo semelhante no caso do Banco Votorantim, mas neste caso  a vítima foi o Banco do Brasil.
. Na época, foram duas operações típicas de socorro a bancos privados. Eles receberam dinheiro público, mas seus donos privados prosseguiram fazendo e acontecendo. O governo decidiu intervir diretamente. No governo FHC, foi o Banco Central quem coordenou todo o programa do Proes.
. Ao contrário do governo FHC, que percebeu o risco sistêmico oferecido pelos defaults do Banco da Bahia, Nacional e Bamerindus e criou o Proes, o governo do PT parece não se dar conta da gravidade do poblema atual e tenta transferir dinheiro público para bancos privados em crise, sem mandar o Banco Central vasculhar e diagnosticar o alcance de tudo o que está acontecendo no sistema financeiro brasileiro.
. Os problemas na banca internacional, com ênfase para Estados Unidos e Europa, inclusive com a quebradeira generalizada de bancos americanos, mostraram que a festa com créditos fáceis pode acabar mal. Nos EUA foi o caso dos créditos imobiliários, mas no Brasil o problema pode ter começado com os créditos consignados.
- Os bancos brasileiros anunciam que criarão auto-regulamentação para administrar o trânsito de carteiras inteiras de créditos consignados. Isto é insuficiente.
*Fonte: http://polibiobraga.blogspot.com/2010/11/fique-alerta-o-caso-do-banco.html

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A morte de Celso Daniel

video
Alguém viu o presidente da República se mexer para apurar o crime ou estas denúncias? O processo que se arrasta até hoje terá desfecho correto? Serão punidos os verdadeiros culpados? Alguém investigou os mandantes ou pelo menos os indícios que obsevamos nas gravações deste vídeo?

Promessa do discurso de Dilma não será cumprida

Por Adriana Fernandes e Fabio Graner, no Estadão:
Na direção oposta ao discurso da presidente eleita Dilma Rousseff, que é preciso “apertar o cinto”, o governo federal abriu ainda mais a torneira do gasto e ampliou em R$ 18,6 bilhões as despesas previstas para este ano. É o terceiro desbloqueio de gastos do orçamento feito pelo governo em 2010.
O pé no acelerador das despesas federais no apagar das luzes do governo Lula veio acompanhado de redução da meta de superávit primário das contas do setor público em 2010 e 2011, numa sinalização que haverá mudanças mais profundas na política fiscal no primeiro ano do governo Dilma.
A Eletrobrás, estatal que conta com forte ingerência do PMDB, principal partido aliado do governo, será retirada do cálculo do superávit primário, permitindo a redução da meta de 3,3% para 3,1% do PIB deste ano. Em 2011, de acordo com os parâmetros econômicos atuais, a meta será ainda menor: 3% do PIB. A reação ontem às três medidas foi de desconfiança. As apostas de alta nos juros subiram no mercado futuro, diante de evidências de que a moderação das despesas ainda é apenas discurso.
Nas últimas semanas, os ministros Guido Mantega (Fazenda) e Paulo Bernardo (Planejamento) deram declarações de que o momento era de redução de gastos. Mantega chegou a criticar a Comissão de Orçamento do Congresso Nacional por ter aumentado em quase R$ 20 bilhões a previsão de arrecadação na proposta de Orçamento de 2011, o que, segundo ele, só serviria para ampliar a pressão por mais despesas.

O processo de Dilma

O jornal Folha de São Paulo recebeu cópia parcial de processo sobre Dilma, liberado pelo STM. São cerca de 7 de 15 volumes que foram trancados durante as eleições presidenciais.
Por ordem do presidente do Superior Tribunal Militar, Carlos Alberto Soares, o processo estava trancado desde março deste ano em um cofre para evitar, segundo ele, uso político dos documentos nas eleições, conforme revelou a Folha em agosto.
Antes das eleições, o jornal protocolou um mandado de segurança no tribunal e, somente na terça-feira passada, os ministros, ao julgar a questão, liberaram o acesso aos autos do processo.
Dos 11 magistrados presentes no julgamento, apenas 1 foi contra o pedido.
A reportagem teve ontem acesso a 7 dos 15 volumes do processo. A primeira leva de papeis tem 1.473 páginas.
Neles estão documentos como a denúncia do Ministério Público Militar e um depoimento de Dilma prestado ao Dops (Departamento de Ordem Política e Social) de São Paulo quando foi presa, em fevereiro de 1970.

Caixa Econonômica perdeu 320 milhões com a compra de 35% do Panamericano

De Leandro Modé, no O Estado de S. Paulo:
SÃO PAULO – Quando a Caixa Econômica Federal comprou 35,5% do Panamericano por R$ 740 milhões, em novembro de 2009, o banco de Silvio Santos valia R$ 2,1 bilhões na Bolsa de Valores de São Paulo. Na última quinta-feira, o chamado valor de mercado havia desabado para R$ 1,2 bilhão. Ou seja, só nesse item, a instituição controlada pelo governo federal perdeu mais de R$ 320 milhões – diferença entre a participação de 35,5% em relação a R$ 2,1 bilhões e a R$ 1,2 bilhão.
Em um discurso inflamado na semana passada, um dos líderes oposicionistas, o senador Antonio Carlos Júnior (DEM-BA), fez pesadas críticas à compra do Panamericano pela Caixa. “Quem tem culpa nisso? (A Caixa) pagou por ativos que não existiam e também pelas receitas decorrentes de ativos que não existiam”, afirmou. Procurada, a Caixa não se pronunciou.

Domingo legal

Não larga o osso...

Rodrigo Alvares, no Estadão:
Apesar da discussão aberta entre PT e PMDB na disputa pelas presidências do Senado e da Câmara com a formação do chamado ‘blocão’, senadores e caciques dos partidos tratam a questão como resolvida. Para o senador Pedro Simon (PMDB-RS), “o PT até concordou com o rodízio e o PMDB em dar dois anos para eles, mas agora estamos dispostos a indicar o próximo presidente da Casa”, declarou o senador, que também adiantou quem deve ser o candidato peemedebista: “É o Sarney, e com a anuência do PT”. O anúncio do bloco de partidos aliados liderados pelo PMDB foi ‘uma surpresa e um factoide’ para Simon.
COMENTO: È. Este país não tem jeito não. Depois de comer a carne, em abundância, Sarney e seu grupo permanecem no poder. Eles não largam nem o osso.

Falso discurso de esquerda

Canso de comentar que não existe igualdade porque não pode haver igualdade. Imagine se o presidente da multinacional tiver de fazer o seu café, varrer a sua sala, ir ao banco, tirar o lixo do seu apartamento e levá-lo até o lixão?
Sim se todos são iguais ou serão todos médicos ou todos garis. As classes são interdependentes e complementares e eles sabem muito bem disto.
Pergunte a algum destes senhores que tanto falam em igualdade se  sabem ao menos fritar um ovo para comer ou lavam o próprio copo.
Este discurso da esquerda é uma tremenda sacanagem. Que tal um destes palhaços trocar um dia o seu local de trabalho pelo do humilde rapaz que faz a coleta de lixo que ele produz?
* Maria Aparecida Fraga Ferreira, por e-mail, via resistência democrática

domingo, 21 de novembro de 2010

O espetáculo da canalhice não pode parar

Foi aprovada por 80 votos a resolução da ONU que expressa “profunda preocupação” com as violações dos direitos humanos promovidas pelo governo do Irã, critica a pena de morte e rejeita a violência contra a mulher. Trata-se de mais uma tentativa de salvar Sakineh Ashtiani, condenada a morrer apedrejada — e de colocar o regime dos aiatolás no caminho que leva para longe da Idade da Pedra. Sobre o caso Sakineh, não tenho muito a acrescentar ao texto republicado neste sábado na seção Vale Reprise.
Os 44 países que votaram contra a resolução se tornaram comparsas confessos de uma ignomínia assim justificada pelo embaixador iraniano, Mohammad-Javad Larijani:”O apedrejamento significa que você deve fazer alguns atos, jogando um certo número de pedras, de uma forma especial, nos olhos de uma pessoa. Apedrejamento é uma punição menor que a execução, porque existe a chance de sobreviver. Mais de 50% das pessoas podem não morrer”. Como optou pela abstenção, o governo brasileiro acha que a argumentação faz sentido. Por omissão, transformou-se em cúmplice do horror.
“A maneira pela qual algumas situações de direitos humanos são destacadas, enquanto outras não, serve apenas para reforçar que questões de direitos humanos são tratadas de forma seletiva e politizada”, miou em nome do Itamaraty o diplomata Alan Sellos. “Eu, pessoalmente, sou contra, mas não posso dizer a quem tem isso na sua cultura que seja contra”, emendou o ministro da Defesa e comerciante de aviões Nelson Jobim. No caso do Irã, o jurista de araque só autoriza discurseiras federais a favor da bomba atômica e de eleições fraudadas. Haja cinismo.
Jobim e o resto da turma sabem que a falsa neutralidade só reafirmou que o presidente Lula não hesita em envergonhar a nação para curvar-se à vontade do companheiro Mahmoud Ahmadinejad. A política externa da cafajestagem ao menos é coerente. Tão coerente, aliás, quanto o silêncio dos líderes oposicionistas, que entre uma e outra derrota eleitoral mergulham no recesso de quatro anos. Como está em férias, a oposição oficial não vocalizou — de novo — a indignação do país que presta com mais um ultrajante tapa na cara da nação.
“Acho o apedrejamento uma barbárie”, recitou Dilma Rousseff logo depois de eleita. Como não deu um pio sobre a abstenção pusilânime, ou não acha nada ou o que acha não tem importância. Dilma tem murmurado que gostaria de instalar uma mulher no Ministério das Relações Exteriores. Se a execução de Sakineh não ocorrer até o fim deste ano, a Era da Mediocridade vai produzir outro espanto: o apoio do Brasil às forças da escuridão será formalizado por uma mulher na Presidência da República e outra na chefia do Itamaraty.
O espetáculo da canalhice não pode parar.

Agora é pra valer: PT declara guerra à imprensa livre

Já havia um monte de gente tentando embarcar na Dilma Tchutchuca da Democracia? É mesmo? Pois a “resolução política” do Diretório Nacional do PT deixou claras as prioridades. Alguns tolinhos dirão que uma coisa é o partido, e outra, o governo. O auto-engano é um direito. Releiam o texto. Para o PT, são quatro os objetivos estratégicos do novo governo:
- erradicar a pobreza absoluta;
- reagir à crise internacional que hoje assume a feição do conflito cambial;
- fazer a reforma política;
- democratizar os meios de comunicação.
“Democratizar”, em petês, significa “controlar” em português. Voltem ao documento e reparem que a questão da “mídia”, como eles chamam, foi a que ocupou mais tempo do redator. E o partido deixa claro que não se trata, sei lá, de uma questão jurídica ou outra que estariam por ser resolvidas. Não! Os petistas querem um “debate qualificado acerca do conservadorismo que se incrustou em setores da sociedade e dos meios de comunicação”
“Incrustar”, nesse sentido, quer dizer “alojar-se”, “esconder-se”, “acoitar-se”, como se esses supostos conservadores fossem, sei lá eu, bandidos, uma gente má, que precisa, para recorrer a um verbo da predileção de Lula, ser “extirpada”. Não se enganem: a natureza do lobo continua a ser a mesma. Não vai mudar. Mas atenção! O PT quer preservar a liberdade de expressão, tá? Seguindo os passos daquele “companheiro” iraniano dos petistas (ver post sobre Irã), todos devem ser livres. Isso só depende “do que querem dizer”… Ainda voltarei a este assunto na madrugada. Uma coisa é certa: eles vão tentar botar pra quebrar.
O documento também tem um lado cômico, quando identifica o PT como “partido de esquerda e socialista”. Essas palavras, obviamente, não valem pelo seu valor histórico. Modernamente, querem dizer apenas que o PT se considera monopolista das tais “lutas populares” e que, de fato, conserva o mesmo horror à democracia que marca a história das esquerdas — de qualquer esquerda. Nesse particular, ele é a expressão de uma tradição. E só nisso. Ou como explicar que uma das figuras de proa do partido seja o “socialista” José Dirceu, cuja profissão hoje em dia é “consultor de empresa privada”?
É preciso saber ler: a resolução política do PT é uma declaração de guerra à imprensa livre. E vai se dar em várias frentes:
1) na legal, tentando aterrorizar as empresas de radiodifusão por intermédio das concessões públicas;
2) na política, tentando patrulhar o pensamento divergente;
3) na econômica, tentando asfixiar as fontes de financiamento do jornalismo independente e financiando regiamente os áulicos.
Quem topa fazer uma aposta?
PS - Só os tolos imaginam que, num momento como esse, tal resolução tenha sido tornada pública sem o aval de Dilma a cada linha.
Texto publicado originalmente às 22h33 de ontem
* Por Reinaldo Azevedo

Rapidinho

Imediatamente após saber que Bento XVI estava chamando o clero para uma reunião de 3 dias, nossa futura presidente foi rápida no gatilho: enfiou Gilberto Carvalho dentro de um avião com destino a Roma (na noite de 18/11) , portando uma carta pedindo paz para sua gestão. Não tocou no assunto do aborto, fala apenas sobre a erradicação da miséria e redução da desigualdade social.
Em contrapartida, devemos observar com atenção a abstenção do Brasil sobre a violação dos direitos humanos no Irã. Isso quer dizer
que o Brasil não é contra e nem a favor, apenas não liga para fatos tão pequenos quanto apedrejamentos ou enforcamentos de mulheres mundo afora por motivos torpes.
Sugiro às feministas que ponham suas barbichas de môlho.
Conclusão: O Brasil da Dilma é contra o aborto e não está nem aí para a população feminina que sobrevive nos paises islâmicos.
E sintam o drama, já que ela nem assumiu ainda!
*Texto de Ana Prudente

Quem quer dinheiro? Edir Macedo quer...E muito!!!

Em seu blog, o bispo Edir Macedo iniciou a campanha da Igreja Universal do Reino de Deus da coleta de doações para a construção da milionária réplica do Templo de Salomão.
Macedo começa ressaltando que o projeto do templo foi “desenhado por Deus”.
A réplica terá mais de 70 mil metros quadrados de área construída e ocupará um quarteirão na zona leste de São Paulo. Haverá lugar para que 10 mil fiéis assistam sentados os cultos. O estacionamento abrigará 10 mil veículos.
O bispo, como sempre, recorreu à Bíblia para justificar seu pedido por dinheiro. Cita I Crônicas 29.5: “Quem, pois, está disposto, hoje, a trazer ofertas liberalmente ao Senhor?”
Ressaltou que, para a construção do Templo do Salomão, como agora em relação à réplica, Deus habilitou os servos para ajudar “com ofertas substanciais”.
Macedo informou que, só para começar, vai precisar até o final do ano de R$ 70 milhões para a terraplenagem do terreno e as pedras que serão importadas de Israel. A imprensa já tinha divulgado que o custo total da obra será de pelo menos R$ 200 milhões.
As “ofertas substanciais” deverão ser depositadas em duas contas da Universal, uma no Banco do Brasil e outra no Bradesco.
Em troca, diz Macedo, citando de novo a Bíblia, Deus suprirá as necessidades de cada um dos doadores.
*Blog do  Paulo Lopes

sábado, 20 de novembro de 2010

A justiça e o palhaço

Parece que a justiça eleitoral teme declarar o Tiririca incapacitado para assumir o cargo para o qual foi eleito com mais um milhão de votos. Teme desgostar seu eleitorado formado pela maior concentração de nordestinos fora do nordeste?A meu ver, a justiça deveria ter muita cautela antes de  declará-lo apto a exercer um cargo político eletivo este analfabeto funcional, que já foi capaz de apresentar à Justiça Eleitoral um documento falso como “prova de escolaridade”, e que, ao passar pelo crivo de técnicos – talvez aconselhado por seus advogados –, ardilosamente usou letra de forma ao invés de cursiva, tal como estava no documento aparentemente forjado, para evitar o confronto entre ambas.
Não bastando isso, o eleito alegou ser vítima de uma “disfunção que dificulta o ato de escrever”.
Ora, um ortopedista, por uma perícia técnica que não houve, poderia confirmar ou não esta alegação.
O caso é que o Tiririca, sendo empossado, abrirá um precedente perigosíssimo: o de se eleger um candidato comprovadamente analfabeto e pior, capaz de tentar driblar a lei para alcançar suas pretensões.
Espero que os juízes tenham um mínimo de bom senso.
*Texto de Mara Montezuma Assaf, por e-mail

‘Dilma é uma fábula criada pela mente fantasiosa de LuLa Fontaine’

Por onde anda o único especialista em dilmês do mundo?, perguntaram nos últimos dias dezenas de leitores da coluna. Cadê o grande caçador de cretinices?, intrigaram-se outros tantos. Preparando-se para o retorno memorável, comprova o texto do jornalista Celso Arnaldo Araújo sobre o já histórico Discurso dos Três Porquinhos. Confira:
Dilma Rousseff é uma fábula. Criada pela mente fantasiosa de LuLa Fontaine ─ autor, entre outras fábulas, de “A Viagi de Marisa” ─ “A presidente que não sabia falar” inaugura uma nova corrente da ficção literária, que promove a aliança entre o imaginário e o horror trash — como se pode ver neste vídeo, apenas um trailer do longa-metragem com quatro anos de duração baseado nessa história, que estreia dia primeiro de janeiro.
A presidente inventada por LuLa Fontaine era um fenômeno — apesar de seus 62 anos, e embora, como consta, instruída pelos melhores tutores, parecia não ter completado a fase de aquisição plena de linguagem, em seus diversos níveis. Do mais coloquial ao mais imperial. Do pessoal ao protocolar. Não dominava nenhum, das primeiras às últimas palavras, do preâmbulo à moral da história.
Quando começava a se dirigir aos súditos, dos mais humildes aos mais ilustrados, tinha enorme dificuldade de dizer a que veio, como no vídeo em tela:
– Eu tenho assim muita, uma, uma grande alegria de tá aqui.
A presidente que não sabia falar provavelmente ouviu de um dos sábios da corte que, ao saudar uma certa categoria de pessoas, devia deixar bem claro que se referia indistintamente aos homens e às mulheres desse dado segmento, mesmo que este fosse designado por um termo comum de dois –- ou seria linchada pelas mulheres presentes. Num encontro de mancebos, endereçou-se “aos jovens homens e às jovens mulheres”. Aqui, “aos militantes e às militantes” e “aos dirigentes e às dirigentes”.
Salto no escuro
Expressões de uso popular, empregadas com naturalidade até por pessoas humildes, em sua boca sempre se adulteravam. Salto no escuro, no sentido de aposta arriscada, virava “salto mortal” – que ela repetiu umas 10 vezes numa semana, em diversas situações. “Quem quer que seja” aparecia em sua fala como “seja quem seja que faça”. “Sob pressão” ganhava duas letras intrusas, alterando-se para “sobre pressão”. Um grito de guerra do general Pompeu, bradado antes de Cristo, “Navegar é preciso, viver não é preciso”, foi por ela chamado de “um verso de Ulisses” – e não se referia ao da Odisseia grega, mas ao Guimarães, da odisseia das diretas.
Nada acertava: nomes de pessoas, de cidades, de livros, citações célebres, provérbios, passagens da história, até lugares-comuns. Números, conceitos, premissas, promessas, hipóteses, a presidente que não sabia falar deformava tudo o que dizia ou tentava dizer.
Mesmo em seu terreno de origem, a fábula infantil, era incapaz de perceber as implicações politicamente incorretas de determinadas historinhas, quando tiradas do contexto -– por muito menos, Monteiro Lobato acaba de ser conduzido postumamente à delegacia de costumes, por racismo.
Chamar três de seus principais auxiliares, em público, de “três porquinhos”, como suposto exercício de carinho e gratidão, foi a mais clamorosa falta de noção política, sociológica e psicológica da presidente que não sabia falar. É o que diferencia a ignorância, que é remediável, da sem-noção, que é irreversível. Tiririca, outro personagem das fábulas do mundo de LuLa Fontaine, é apenas ignorante.
No final de “A presidente que não sabia falar”, o autor a faz viajar para o estrangeiro – onde deixa em polvorosa seu tradutor juramentado, ao repetir, diante dos mesmos três vassalos, a história dos Três Porquinhos. O intérprete sentiu-se impedido de verter tal expressão para Three Little Pigs, francamente pejorativo quando atribuído a pessoas que comandam verbas públicas e a agenda de uma presidente. Tinha receio de ofender os três cavalheiros, mas a presidente nem percebeu e desandou a falar com o anfitrião sobre uma história lida na remota juventude, algo como “A Cabana do Pai Tomás”.
Ou seria “A banana de São Tomé”?
A história não acabaria bem para a fabulosa presidente que não sabia falar.
*Texto de Augusto Nunes

Balaio de gatos

Não chegou a uma semana o intervalo entre o anúncio da coalizão entre PMDB, PP, PR, PTB e PSC e o sepultamento do chamado superbloco, com a mão do presidente Lula. O episódio dá a dimensão do quão conturbada promete ser a relação entre o PT da presidente eleita, Dilma Rousseff, e o PMDB do vice, Michel Temer. E das arestas que será preciso aparar nos próximos quatro anos.  O próprio líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), reconhece que foi surpreendido com a história. Mas não recua: “Nós mostramos os dentes”. Em entrevista exclusiva ao site de VEJA, o deputado afirma que as relações entre as duas legendas “precisam ser muito mais de afinidades do que de articulações de última hora.

Começa a briga pela partilha no novo governo

Esquerda Socialista apresentou documento na reunião do Diretório Nacional
Gabriel Castro
Se, oficialmente, o discurso dos dirigentes petistas é de harmonia com os aliados, moderação nas medidas de governo e mão estendida para a oposição, algumas alas do partido adotam uma postura diametralmente oposta.
No encontro do Diretório Nacional do Partido, em Brasília, a Esquerda Socialista - grupo comandado por Valter Pomar - apresentou um documento com temas controversos que incluem ataques à imprensa e uma proposta de derrota "definitiva" da oposição.
O texto faz, inicialmente, uma severa autocrítica do desempenho petista nas eleições de outubro: "Não houve onda vermelha" - diz o documento, antes de citar o desempenho petista na disputa pelos governos estaduais e pelas cadeiras no Congresso. "Somente no Rio Grande do Sul e na Bahia podemos falar, sem senões, de vitórias políticas e eleitorais do partido", teoriza.
Filão ideológico - Há ainda reflexões sobre a vitória moral dos oposicionistas na disputa presidencial: "Nós ganhamos na defensiva; eles perderam com discurso de vitoriosos; saíram eleitoralmente desorganizados, mas reencontraram seu filão ideológico". A Esquerda Socialista pede ainda a formação de um bloco com PC do B, PSB e PDT, com o objetivo de "neutralizar o PMDB".
A sugestão de resolução também deixa claro que vencer a oposição nas urnas não basta: "O movimento estratégico exige que derrotemos efetivamente a oposição, reduzindo a sua base de massa e eliminando duas de suas principais fontes de poder: o financiamento privado das campanhas eleitorais e o monopólio da comunicação".
E também sobra para a imprensa: a ala petista atribui aos meios de comunicação uma campanha pela nomeação de ministos "identificados não com a continuidade das mudanças, mas sim com o ajuste fiscal".
No encontro da capital federal, o Diretório Nacional do PT irá aprovar uma resolução a respeito das eleições de outubro. Sem grandes novidades, o texto deve trazer uma celebração da vitória de Dilma Rousseff à Presidência.

Os porquinhos da Dilma

Até agora apenas sussurrado por inimigos íntimos, o apelido coletivo da trinca formada por Antonio Palocci, José Eduardo Dutra e José Eduardo Cardoso foi escrachado por Dilma Rousseff nesta sexta-feira, durante o discurso na reunião do diretório nacional do PT. Grata pelos bons serviços prestados por eles ao longo da campanha, Dilma referiu-se elogiosamente aos Três Porquinhos. A candidata que não dizia coisa com coisa é agora a presidente eleita que não sabe o que diz. Os devotos de Lula atravessaram a temporada eleitoral enxergando um PIG (Partido da Imprensa Golpista) no palanque da oposição. Com meia dúzia de palavras, a oradora apresentou ao país três pigs de estimação.
Dos três porquinhos da velha fábula ─ Homero (ou Prático), Cícero e Heitor ─ só o primeiro é competente e operoso. Os outros são preguiçosos juramentados. “Eu sou o Prático”, antecipou-se José Eduardo Dutra. “Eu sou o Cícero”, emendou José Eduardo Cardozo, talvez sem saber que seu personagem foi o primeiro a ter a casa destruída pelo Lobo Mau. Sobrou para Palocci o papel de Heitor, que também só escapou do vilão por ter-se abrigado no refúgio seguro construído pelo porquinho Prático.
A associação à história infantil deixa dois Altos Companheiros mal no retrato. Pior ainda é a associação à trinca de parlamentares batizada pela imprensa com a mesma alcunha durante a campanha eleitoral de 1989. A serviço do chefe José Sarney, os senadores Edison Lobão, Marcondes Gadelha e Hugo Napoleão planejaram o lançamento da candidatura do apresentador Silvio Santos à Presidência da República. A trama protagonizada pelos Três Porquinhos do século passado tropeçou na Justiça Eleitoral. Mas a confusão que provocaram fez o quadro político ficar parecido, por algum tempo, com um chiqueiro.
Pelo tom de voz, Dilma quis ser gentil com seus porquinhos de estimação. É difícil imaginar o que dirá quando estiver num dia de fúria.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Na primeira crise, ''sombra'' já se impõe sobre Dilma

Antes mesmo de tomar posse, a presidente eleita, Dilma Rousseff, já precisou ser socorrida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para conter a primeira crise de relacionamento com sua futura base de sustentação dentro do Congresso.
No momento em que o PMDB apresentou suas armas costumeiras para pressionar o novo governo a ceder mais cargos, foi Lula quem saiu a campo para desmontar o ataque, que já contava com a adesão de PTB, PR e PP.
Acostumado com as pressões sofridas durante os oito anos de sua passagem pela Presidência, Lula precisou de menos de 24 horas para operar nos bastidores e implodir a cobrança por espaços dentro do governo.
O problema é que o movimento de Lula aponta para a possibilidade de ele vir a atuar como sombra da futura presidente.
Não é surpresa para ninguém que os partidos aliados iriam usar todos os expedientes possíveis para tentar arrancar o maior número de cargos do governo.
A novidade é a pouca mobilidade demonstrada por Dilma nessa situação. Se Lula precisou sair em seu socorro numa crise que poderia ser resolvida com a simples ameaça de corte de cargos, nada impede que se imagine a presença do ex-presidente em outras questões importantes.
Isso pode significar que num momento, por exemplo, de dificuldade econômica será o ex-presidente quem apontará o rumo a seguir. Ou que indicará prioridades para determinadas políticas públicas. Em suma, um ex-presidente com assento cativo no Palácio do Planalto.
Não foi à toa que poucas horas depois de ter jogado suas cartas para conter o apetite dos partidos da base, Lula tenha dado declarações públicas afirmando que não iria fazer qualquer indicação para o novo ministério ou para outros cargos.
A declaração só faz sentido porque Lula sabe que poucos acreditam na sua veracidade. Sua movimentação na crise aberta pelo PMDB foi tão forte que ele precisa repetir o máximo de vezes possível que não terá participação na montagem do novo governo para ver se a versão funciona.
Para espantar a impressão de que Lula terá mais participação no seu governo do que deveria, Dilma tem agora um caminho claro a seguir. Precisa assumir claramente as articulações de seu governo. Terá de acostumar seus aliados com a ideia de que as decisões são tomadas por ela. Sob pena de permitir que o poder que lhe foi entregue nas urnas escorregue de suas mãos.
*Texto de Marcelo de Moraes

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Mamãe vai morar em palácio

Dilma Rousseff não é apenas a primeira mulher eleita como presidente. Ela também será uma das poucas que não terá um “primeiro-cavalheiro”, se é que podemos usar esse termo para o marido de uma chefe de  governo.
Para morar com ela no Palácio do Planalto, Dilma levará a mãe, Dilma Jane Rousseff, ou Dona Jane, de 86 anos.
"Fiquei pensando em como deve ser solitária a vida dentro de um palácio, principalmente para quem não tem filhos e um companheiro por perto.
Talvez se eu morasse num lugar assim, levasse também os meus pais para morar comigo. Nos momentos mais difíceis, e certamente eles virão no governo Dilma, nada como um aconchego de mãe." Disse.
Você não acha?

É o Brasil

Pela segunda vez, a chefia da Casa Civil prorrogou o prazo para a conclusão dos trabalhos da comissão que investiga as bandalheiras produzidas pelo bando de parentes e agregados de Erenice Guerra. Oficialmente, os três sherloques ─ que representam a Controladoria Geral da União, a Advocacia Geral da União e a própria instituição desonrada pela melhor amiga de Dilma Rousseff ─ entraram em ação em 17 de setembro. Em 18 de outubro, ganharam mais 30 dias para preparar o relatório final. Nesta terça-feira, mais 20.
Se o escândalo da Casa Civil fosse um episódio de seriado policial da TV americana, Erenice seria presa já na cena de abertura. Não ficaria muito tempo só: a esta altura, estaria tomando sol no pátio em companhia de três detetives amadores engaiolados por ocultação de provas e obstrução da Justiça. Como isto é o Brasil de Lula, a trinca pode acabar homenageada com a mesma condecoração que Erenice nem foi convidada a devolver.
*Texto de Augusto Nunes

A nossa liberdade

Se a mídia pode dizer o que pensa e uma Constituição lhe afiança que nada - lei alguma - poderá constituir embaraço ao exercício de informar, que tipo de ameaça os Conselhos estaduais de Comunicação poderiam representar à liberdade de expressão em nosso País?
Nenhuma, se levarmos em conta que a Constituição traduz a vontade soberana de um povo e a ela o Estado se submete; todas, se esse princípio for quebrado e permitir, em linguagem popular, que a moda pegue e se criem, aqui e alhures, mecanismos semânticos que indiquem muito além do que simples controles, mas uma forma velada de cerceamento a essa liberdade - numa palavra, censura.
O que não seria uma novidade em nossa história, considerando que desde o reinado de Dom João VI, quando Hipólito José da Costa contrabandeava jornais contrários à Corte, a censura se presta, dentre outras perversidades, à tentativa de se instituir uma imprensa "chapa-branca" para bajular governantes.
Como a história anda aos saltos, a Constituição de 1988 finalmente decretou o fim da censura imposta por sucessivos atos institucionais do período de exceção. É o artigo quinto que assegura a liberdade intelectual, de expressão e de imprensa. Por sua vez, é o artigo 220 que veda "toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística".
Nos limites da lei, por não existir direito absoluto, e até os direitos sagrados à vida e à liberdade se esmaecem frente, respectivamente, à legítima defesa e à prisão por ato criminoso.
Contudo, há situações que nos levam a refletir e nos manter vigilantes quanto ao tema, tais como a de veículos de comunicação - jornais principalmente - que sustentam sofrer censura ou algum tipo de cerceamento das atividades de seus profissionais. E a série de iniciativas legislativas objetivando à criação dos ditos Conselhos estaduais de Comunicação para monitorar e fiscalizar a imprensa.
Em que pese nobres intenções por trás do gesto de seus formuladores de "propor sistemas para a democratização da informação", o objetivo desses Conselhos é mesmo de fiscalização. Um eufemismo, talvez.
A liberdade de expressão é condição básica para o perfeito funcionamento do Estado democrático de Direito e iniciativas açodadas como essas afrontam direitos fundamentais. Vale dizer, se forem levadas a cabo serão passíveis de questionamento junto ao Supremo Tribunal Federal em eventual propositura de Ação Direta de Inconstitucionalidade.
Revela-se, ainda, contraditório que se pretenda dar ao Executivo a possibilidade de interferir na produção intelectual, pois, sendo seu objetivo final promover o desenvolvimento e o bem-estar dos cidadãos, esse desenvolvimento e esse bem-estar dependerão, sempre, do grau da liberdade existente. A lição vem de Spinoza.
Quanto menor for o controle do Estado sobre a mente, melhor para o cidadão e para o próprio Estado. Pois quanto maior for o esforço do governo para limitar a liberdade de expressão, mais obstinada será a resistência a ele. As leis contra a liberdade de expressão, portanto, subvertem a própria legislação, na medida em que as pessoas não irão respeitar leis que não possam criticar.
Não por menos, a Ordem dos Advogados do Brasil vem adotando um posicionamento crítico diante dessa questão. Além das várias lacunas legais identificadas nas propostas, há que se levar em conta o que pensa o cidadão anônimo sobre o tema - afinal, a liberdade de expressão é seu, meu, nosso patrimônio. Pertence à Cidadania, não pertence ao Estado, nem mesmo aos veículos de comunicação, nem aos intelectuais, jornalistas, advogados, ou quem quer que seja; conquistada, ela não pode, jamais, ser consentida.
Sem necessidade de lembrar a literal advertência proverbial de São Bernardo, de boas intenções o inferno está cheio, mas elas podem nos levar a fins muito diferentes daquilo que esperamos.
*OPHIR CAVALCANTE JUNIOR é presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil.