terça-feira, 31 de maio de 2011

"Esquema" pronto, Palocci aguarda a hora de posar de inocente.

Na expectativa de receber ainda nesta semana um atestado  de “nada consta” por parte do procurador-geral da República, Roberto  Gurgel, o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, já prepara uma  estratégia de comunicação para explicar as denúncias que pesam contra  ele. A ideia é dar uma entrevista para um canal de TV de grande  audiência, em horário nobre, logo após a manifestação de Gurgel.
Palocci combinou com a presidente Dilma Rousseff que só vai romper o  silêncio depois do parecer de Gurgel, previsto para quinta-feira, a fim  de não melindrar o chefe do Ministério Público. Se tudo correr como o  script traçado pelo Palácio do Planalto, sem a abertura de  investigações, o ministro da Casa Civil pretende circunscrever a crise e  as acusações de enriquecimento ilícito a mais um capítulo do que o  governo chama de “conflito político”. (Estadão)
COMENTÁRIO DE REINALDO AZEVEDO: (…) não vai dar em nada. Aliás, eu diria que Gurgel já falou demais. Acabou se comprometendo, sem querer, claro!, com a Operação Blindagem. Virou, assim, uma espécie de “Amenizador-Geral da República”. Fez mal. Nessas coisas, o silêncio sempre é a melhor opção. Ao afirmar que não via até ali motivos para pedir qualquer investigação, parecia que dava um atestado de idoneidade ao protagonista de um caso, para dizer pouco, muito especial. Vejam bem: a gente já sabe como Palocci engordou seu patrimônio 20 vezes - isso considerando apenas os imóveis: foi com a grana da consultoria. Até esse ponto, não se sai do lugar. O busílis é que consultoria era essa e para quem. E se foi concedida a clientes diretamente relacionadas a assuntos sobre os quais ele, como deputado, legislou ou, depois, como ministro, atuou?
(…) (Aqui)

Encontro de ex-terroristas.

 A presidente do Brasil, Dilma Roussef, e o presidente do Uruguai, José Mujica, comprometeram-se nesta segunda-feira (30/5) a fortalecer a relação bilateral e de integração regional - no Mercosul e na Unasul - após firmarem quinze acordos de cooperação em Montevidéu.
Em uma declaração conjunta após o encontro de aproximadamente duas horas, ambos os líderes ratificaram seu "firme compromisso com o fortalecimento" da Unasul e seu "compromisso prioritário com a consolidação do Mercosul como instrumento de melhora da qualidade de vida de seus povos e de inserção internacional do bloco". Em seguida, ambos endossaram a "necessidade de reforma das Nações Unidas, em particular do Conselho de Segurança, com o objetivo de convertê-lo em um órgão mais representativo, legítimo e eficaz", segundo o texto.(France presse)

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Palocci tem mais coisas para explicar.

O ministro Antonio Palocci não mora naquele apartamentaço de 500 m² nos Jardins, em São Paulo, comprado pela bagatela de R$ 6,5 milhões. Lendo reportagem da VEJA desta semana, de Leonardo Coutinho e André Eler, concluí, parafraseando Camões, que não há metro quadrado o bastante para a ambição do gigante. Ele precisa de mais espaço. Leiam um trecho. Volto em seguida.
(…)
O inferno de Palocci começou quando se descobriu que, em 2010, ele comprou um apartamento de 500 metros quadrados nos Jardins, bairro nobre de São Paulo. O imóvel custou 6,6 milhões de reais. Um ano antes, ele adquirira uma sala comercial por 882.000 reais. Trata-se de uma evolução patrimonial surpreendente para quem havia declarado, em 2006, ter apenas 295000 reais. Ao se defender, Palocci alegou não viver no imóvel. Verdade. O apartamento no qual ele mora tem 640 metros quadrados e fica perto do Parque do Ibirapuera. É cercado por varandas e conta com três salas e quatro suítes - duas com closets e banheira. O condomínio alcança 4.600 reais e o IPTU, 2 300 reais mensais. Por meio de sua assessoria. Palocci informou que paga aluguel. Imobiliárias que administram apartamentos no mesmo edifício dizem que o valor médio da locação é de 15 000 reais. Custo total: 21.900 reais, o equivalente a 83% do salário de ministro.
Voltei
Vejam bem: 83% do salário bruto. Se considerarmos o líquido, sobra aluguel e falta salário. Bem, considerando o que ele ganhou só em 2010, há dinheiro de sobra para pagar a vida nababesca. O problema é explicar de onde veio essa grana, o que ele, até agora, não conseguiu.
Palocci refinou-se mesmo. O bairro de Vila Nova Conceição, onde mora, compete com os Jardins pelo metro quadrado mais caro de São Paulo. É coisa fina — e Higieinópolis é que paga o pato… Como diria o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, não é proibido enriquecer licitamente. Licitamente? Claro que não!
*Texto por Reinaldo Azevedo

domingo, 29 de maio de 2011

Ainda doente, Dilma volta à carga de "trabalho".

Hoje é Domingo, dqui a pouco estaremos na segunda-feira, e começa uma nova semana de trabalho para os politicos e gestores públicos que ainda "cometem tais exageros".
Bem sabemos, há um certo estremecimento entre o Palácio do Planalto e o PMDB. Isto não só preocupa Dilma como Lula, ora travestido de escudo humano da "presidenta" ora cobrador de benesses, supostamente, negados a base alugada.
Ainda sob efeito da "crise" sobre o aumento de patrimônio do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, a "presidenta" vai ao Uruguai nesta segunda-feira.
Volta com a batata quente do Código Florestal, cujo debate começa com diálogos, justamente, com os peemedebistas.
Se por um lado Dilma terá que abrir mão de algumas de suas convicções políticas, por outro não vê nenhuma condição de realizar seus projetos e impor seu sistema administrativo sem negociar, politicamente, com sua base.
Na pauta do Código Florestal uma idéia se sobrepõe a todas: Esmagar a oposição e fazer as mudanças que quiser no projeto.
Seja qualquer que for a iniciativa do planalto, é primordial sufocar a oposição e sua mobilização no Congresso. 
Como não poderia faltar um showzinho, à la Lula, 5ª feira será lançado o programa Brasil sem Miséria, com muita pompa e um festival de promessas que jamais serão cumpridas, mas não faltarão holofotes, fotos, televisão, claque para aplauso, e um sem numero de políticos e áulicos.

Os males da "presidenta".


Acima, a presidente Dilma neste ano, quando posou para figurar na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo da revista Time
No último dia 22, um domingo, a presidente Dilma Rousseff viajou para Salvador para participar da cerimônia de beatificação de Irmã Dulce.
Foi seu primeiro compromisso público desde a pneumonia que a obrigou a cancelar viagens e a despachar durante três semanas do Palácio da Alvorada, sua residência oficial.
Na capital baiana, a chuva obrigou a organização do evento a improvisar. Dilma foi acomodada sob um toldo que lembrava uma bolha de plástico. Não era apenas uma deferência justificada pelo cargo que ela ocupa.
Era um cuidado necessário para evitar uma recaída da inflamação pulmonar que, segundo palavras que ela mesma disse, de acordo com um interlocutor de confiança, teria sido “a pior de todas as doenças que já enfrentei”.
O “foco de pneumonia” descrito no boletim médico no final de abril revelou-se mais pernicioso do que a sucinta comunicação oficial sugeria.
Dilma voltou da China depois de dez dias de trabalho extenuante.
Já estava gripada quando inaugurou oficialmente a campanha de vacinação contra a doença, tomando ela mesma uma dose.
Na terça-feira 26 de abril, sentiu-se febril. Sua temperatura era de 36,8 graus.
O médico oficial da Presidência, o coronel Cleber Ferreira, prescreveu o antibiótico Levaquin, sem avisar o chefe da equipe que a acompanha, o médico Roberto Kalil, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.
Dilma piorou.
Na quinta-feira, o exame de raios X revelou uma pneumonia.
Transferida para São Paulo, passou a receber na veia dois antibióticos: azitromicina e ceftriaxona – recursos usados em casos graves.
Seguiu com esse tratamento durante 14 dias. Foi tratada também com um corticoide.
Assessores próximos contam que a doença afetou a disposição da presidente e seu estado psicológico.
Ela sentia cansaço e falta de ar.
Passou a despachar do Alvorada, a residência oficial, para evitar o ar-condicionado do Palácio do Planalto, onde as janelas são lacradas.
Reclamava de dores de estômago e náuseas e não conseguia se alimentar direito.
O fígado dava sinais de agressão.
Os níveis da enzima TGP, que serve de parâmetro para avaliar as condições hepáticas, subiram, como resultado do esforço que o órgão fazia para processar o coquetel de remédios que Dilma usava.
No dia 21 de maio, ela se submeteu a uma tomografia no tórax que, de acordo com os médicos, mostrou que ela estava curada da pneumonia.
Nos últimos dias, ÉPOCA teve acesso a relatos médicos, a exames e à lista de medicamentos que ela toma.
 Durante o tratamento da pneumonia, eram 28 remédios diariamente – entre drogas alopáticas, suplementos vitamínicos prescritos em tratamentos ortomoleculares e cápsulas que Dilma consome por conta própria, algumas pouco ortodoxas, como cartilagem de tubarão (leia a lista completa abaixo).
Procurada por ÉPOCA, Dilma pediu ao Hospital Sírio-Libanês que emitisse um boletim exclusivo sobre sua condição de saúde. “Do ponto de vista médico, neste momento a Sra.
Presidenta apresenta ótimo estado de saude”, afirma o boletim.
Não há, segundo os médicos oficiais, nenhum sinal de que seu câncer linfático, diagnosticado e tratado em 2009, tenha voltado, nem de que as defesas de seu organismo tenham sofrido maiores consequências por causa do tratamento.
“A Presidenta Dilma continua em remissão completa do linfoma, e não há nenhuma evidência de deficiências imunológicas, associadas ou não ao tratamento do linfoma realizado em 2009”, diz o texto.
Mas as informações obtidas por ÉPOCA revelam que a saúde da presidente ainda exige atenção.
Não por causa do câncer.
Mas em virtude de preocupações naturais para uma mulher de 63 anos.
Dilma convive com vários problemas que consomem energia. (Revista Época)

sábado, 28 de maio de 2011

Lula e o esgoto.

Arte: Lilicarabina
Por Guilherme Fiúza, ÉPOCA:
O escândalo de corrupção na prefeitura de Campinas não tem nada de escandaloso. Tudo nesse caso é absolutamente normal.
Há uma ordem de prisão contra o vice-prefeito, do PT, que está foragido. Segundo o Ministério Público, ele é uma das cabeças de um propinoduto montado no serviço de águas e esgotos.
Qual é a novidade? Nenhuma.
É mera repetição do padrão consagrado, que tem no caso Celso Daniel seu emblema máximo: PT, lixo, esgoto, propina.
Em meio a essa mesmice, mais uma revelação trivial: no caminho da propina entre a empreiteira e a companhia de saneamento aparece, como suspeito, um empresário. Adivinhe de quem ele é amigo?
Acertou. É amigo do filho do Brasil.
Luiz Inácio da Silva, o homem e o mito, é candidato a um verbete no Guinness. Entrará no livro dos recordes como o cidadão com o maior número de amigos acusados de alguma trampolinagem.
Até no episódio do dossiê dos aloprados, os principais suspeitos eram amigos de Lula.
Tinha o churrasqueiro do presidente, o segurança e personal-chapa do presidente, o sindicalista de fé e irmão camarada do presidente desde os anos 70, e assim por diante.
Isso para não falar em Delúbio, Silvinho, Gushiken e grande elenco mensaleiro – todos da cota afetiva de Lula.
O aparecimento de mais um amigo do ex-presidente no caso do esgoto de Campinas não tem, portanto, qualquer relevância. Será possível que o Ministério Público ainda não entendeu o jeito Lula de fazer amizades?
Em vez de ficarem implicando com o ex-operário, deveriam estimulá-lo a ampliar o temário de suas valiosas palestras. Além de ensinar o jeito PT de administrar, Lula poderia discorrer sobre a importância do afeto na política.
E explicar como se faz para ter um milhão de amigos fichas-sujas, mantendo intacta a estampa de herói.
Seria um sucesso. Ele nem precisaria explicar como ficou amigo de Dilma Rousseff.

Afinal, quem é que manda nessa porra?

O PT e o PMDB estão se estranhando.
O governo sofreu uma fragorosa derrota na votação da lei ambiental.
A dentuça vive doente e anda mais sumida que dente em boca de pobre.
Em menos de seis meses de governo já houveram tres aumentos nos juros da marolinha, o preços dos combustíveis dispararam e a inflação ronda o país.
Mesmo com a safra do álcool os preços não voltaram aos patamares anteriores.
Agora estoura o trambique do Palocci, o Brasil inteiro quer explicações que o governo insiste em não dar. A Dentuça teve que ceder aos caprichos dos evangélicos para segurar o Palocci longe da merda.
E para dizer que não sabe de nada a Dentuça teve que pedir a exumação da carcaça fétida do Defuntus Sebentus, o profissional do NÃO SABER, na tentativa de reverter essa lambança em que o Palocci meteu a Dentuça.
O encosto de Garanhuns já está zombeteando pelos corredores de Brasília mostrando que o Brasil é governado por um "cavalo de entidade".
A Dentuça virou instrumento mediúnico para que o espírito do Sebento zombeteiro faça suas presepadas e volte a governar em OFF. Apoiado pelas múmias e espíritos das trevas que estão vagando pelo congresso há décadas.
O Sebento já fala em mini reforma constitucional entre outras asneiras sempre de olho em 2014. Ele sabe que o Poste não vai se reeleger e se não segurarem a onda nem o Sebento consegue novamente. Então a ordem é NEGAR e dizer que não existem provas, usar o rolo compressor do congresso para esmagar as tentativas de investigação por parte da... "oposição?"..snifff. Oras, se funcionou durante oito anos, porque não haveria de funcionar agora, afinal, o povo só emburreceu nos ultimos anos e não vai se manifestar pedindo esclarecimentos.
E tudo ficou muito mais fácil de manipular, a imprensa não representa perigo, já que está em sua grande maioria devidamente colocada nas folhas de pagamento dos ratos vermelhos.
E as instituições que deveriam fiscalizar, investigar, julgar e punir o Palocci, estão devidamente aparelhadas e não são ameaça à estabilidade da quadrilha.
Com a eleição do poste o povo brasileiro definitivamente passou atestado de burrice e agora vai ser diplomado em estupidez crônica e alienação patológica.
Ou esse poste se mantém em pé até 2014 para que o Sebento consiga se eleger novamente, ou ele desaba e entrega o país nas mãos dos PMDBostas, que são tão ou mais safados que os PTralhas.
E para que o poste não desabe, o Sebento vai vir com a carga total na sua safadeza e pilantragem para continuar enrolando o povinho sem noção desta pocilga.
O futuro do Sebento depende desse poste em pé, e para que isso aconteça ele vai jogar pesado. É esperar para ver.
A Dentuça tem que assumir de vez que é a presidANTA do país e encara a situação  afastando a possibilidade de se deixar manipular pelo Sebento. Ou então entrega o lugar para o Temmer que certamente irá cavar uma cova bem funda para o PT.
O que não pode é o Brasil ser governado "por fora" pela "eminência parda" que mente para caraleo, nunca sabe de nada, bebe pra burro e tem nove dedos.
PresidANTA presta atenção...
"Passarinho que dorme com morcego acorda de cabeça para baixo." ( Blog O mascate )

A caixa preta do BNDES

Em mais um capítulo da controversa estratégia de apoio do BNDES ao grupo JBS,o banco converteu em ações R$ 3,48 bilhões de créditos (debêntures) contra o grupo, reduzindo no mesmo montante a dívida da empresa.
As debêntures foram emitidas em 2009 para financiar as aquisições da Pilgrim"s americana  e de frigoríficos no Brasil. Deveriam ter sido trocadas por ações da JBS USA quando fosse aberto o capital da empresa nos EUA.
Como isso não ocorreu, o BNDES converteu os papéis em ações da própria JBS. Com a       conversão, a parcela do banco na empresa cresceu de 17% para 31%, o que reduziu a parte da família Batista, controladora da empresa, de 54% para 47%, e a dos minoritários, de 28% para menos de 22%.
Uma primeira observação diz respeito ao preço, R$ 7,04 por ação. Um valor bem acima da cotação de mercado no dia anterior ao anúncio, próxima de R$ 5,70.
Com isso, a participação do BNDES resultou inferior à que poderia ter obtido, o que aumentou relativamente a fatia remanescente dos outros acionistas, inclusive a família Batista. Os minoritários, insatisfeitos, desfizeram-se de grande quantidade de ações e, com isso, derrubaram seu preço em 10% nos três dias seguintes.
Entre subscrições de ações e financiamentos, o valor aportado à JBS pelo banco, em dois anos, chega a R$ 10 bilhões. Tudo para criar um "campeão mundial" na área de proteína animal.
É mais um exemplo da questionável política industrial seguida pelo governo. De partida, destaque-se que a escolha de "campeões" vem cercada de nebulosidade e pode ter efeitos danosos.
No caso do setor de carnes, houve clara concentração, com prejuízos para os pecuaristas, que perdem poder na barganha com frigoríficos.Mas não houve ganho nas exportações: as vendas de carne bovina "in natura" continuam no mesmo patamar de 2009.
Outra ressalva é que o BNDES apoia setores nos quais o Brasil já é competitivo, em lugar de privilegiar política mais ampla de inovação.      
Uma das regras de ouro da política industrial bem-sucedida é a incorporação de progresso técnico, o que não está ocorrendo.
O BNDES precisa explicitar os critérios utilizados nessas operações e convencer a sociedade do acerto das prioridades que elegeu a portas  fechadas.

Palocci para o prêmio nobel de economia do petralhismo

O sujeito ganhou dez milhões em dois meses (mais do que a metade do faturamento anual da maior empresa de consultoria do país, que emprega mais de 100 pessoas) Existe explicações? Só se for uma confissão. Palocci multiplica dinheiro: Os petistas desejam indicar o Dr “honóris apdeuta” para o cargo de presidente do FMI e Palocci para o prêmio Nobel de economia do petralhismo milagreiro.
O procurador da República Roberto Gurgel, afirmou por diversas vezes que não existia necessidades de Palocci ser investigado. Palocci entregou a ele sua defesa. Gurgel é que decide se vai ou não abrir processo no STF contra Palocci. Da para deduzir que as explicações de Palocci, serão satisfatórias.
*Texto de Jorge Roriz

Governador da Bahia diz que Palocci tumultuou o ambiente político.

Dias depois, de os governadores petistas se reunirem para declarar apoio ao ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, o governador da Bahia, JAQUES WAGNER (PT), disse ontem que o crescimento patrimonial do ministro "CHAMA A ATENÇÃO" e "TUMULTUOU O AMBIENTE POLÍTICO" no país. Em entrevista à Rádio Metrópole, de Salvador, WAGNER DISSE TER SE SURPREENDIDO com os R$ 20 milhões faturados pela empresa de consultoria de Palocci em 2010. "Se foi ganho dentro de um trabalho normal, é mérito dele, MAS CHAMA A ATENÇÃO, EM UM ANO DE CONSULTORIA, ele GANHAR R$ 20 milhões. TODO MUNDO SE SURPREENDE, porque é um rendimento muito grande! CHAMA A ATENÇÃO, como chamou a atenção o apartamento dele", disse o governador à rádio.
Wagner faz ressalva de que Palocci, como ex-ministro da Fazenda do governo Lula, tem "formação privilegiada" e que a renda milionária foi obtida enquanto ele estava fora do governo. Ainda segundo ele, a oposição tenta criar um "ambiente de confusão" em torno do caso. O governador da Bahia também criticou a demora do ministro EM DAR EXPLICAÇÕES SOBRE sua evolução patrimonial. Wagner disse que, quando há suspeitas, o "melhor caminho é o mais curto". "Quanto mais demora, [há] mais gente levantando lebre, [há] mais questionamento sendo feito, não é bom para ninguém. Espero que ele rapidamente possa fazê-lo e aí pacifica essas coisas", disse o governador. Na entrevista concedida à radio, Wagner afirmou ainda que já viu muita gente ser "enxovalhada e [depois] não ser nada provado". Disse também que, "até prova em contrário", TEM DE ESTAR "SOLIDÁRIO" com Palocci.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Canibalismo entre homossexuais.

Apedeuta na área - A tolice autoritária do dia

É só Lula na área, mas poderia ser Hugo Chávez
O tirano da Venezuela copiou um dos lemas da campanha à reeleição de Lula — “Deixa o homem trabalhar”. No Brasil, o Apedeuta quer copiar Chávez para fazer a reforma política.
Em reunião fechada com sindicalistas, o presidente não-eleito defendeu que a reforma política seja feita por uma Constituinte caso o Congresso não a faça.
Como é que é?
É mais um a achar que, se o Parlamento não faz o que ele acha que tem de ser feito, que seja, então, atropelado. A fórmula exata para tanto ele não deu, uma vez que não se pode convocar uma Constituinte sem a anuência do Congresso que estaria sendo desmoralizado por ela. Qual o caminho?
Ele quer convocar os “movimentos sociais” para pressionar em favor da reforma. Os “movimentos sociais” são aquelas forças que, quando chamadas, fazem em nome do povo o que o povo não as elegeu para fazer. Eles podem, por exemplo, propor que seus pimpolhos de 11 anos sejam convidados a assistir a filmes de educação moral e Cívica como “Gaiola das Loucas” e “Brokeback Mountain”, essenciais à formação das crianças…
Sempre íntimo de um bom par de coisas que não prestam, Lula defendeu ainda o voto em lista fechada  e o financiamento público de campanha, que é aquele modelo em que eles enfiam a mão no bolso do povo para o povo eleger pessoas que não conhece.
Teria o Congresso a disposição de se suicidar para o PT cumprir a sua agenda? Acho que não, mesmo o governo tendo lá uma gigantesca maioria. O PMDB seria o primeiro a saber que uma Constituinte “ad hoc”, reunida para fazer a reforma e dissolvida em seguida, seria a Constituinte dos movimentos ditos sociais  — e, pois, dos petistas.
A conversa serve só para a gente perceber como a democracia continua a ser, para os petistas, não mais do que um instrumento tático. Se e quando der, será ditadura do partido.
* Texto por Reinaldo Azevedo

De Fidel Castro a Ollanta Humala: Importante Manifesto de Alerta ao Povo Peruano

A Associação peruana Tradicion y Accion por un Peru Mayor publicou em 24 de maio p.p. no jornal “Correo” daquele mesmo país um importante manifesto sobre as próximas eleições presidenciais.
O texto demonstra que no dia “5 de junho, o Peru será posto ante uma alternativa crucial: seguiremos crescendo como nação cristã e civilizada, ou cairemos debaixo do totalitarismo paralisante de uma ideologia anti-cristã?”.
Tal viés anticristão se divisa no retorno ao velho fantasma do comunismo. Fantasma que surge agora, continua o manifesto, sob o nome de Gaña Peru, uma coligação de “oito grupos revolucionários, comunistas, socialistas radicais, anarquistas, além de ser apoiada por dezenas de grupos homossexuais, travestis, abortistas, etc.”, que tem como candidato à presidência Ollanta Humala.
Aliás, já vem de longa data as coligações dos antigos programas marxistas com os agentes da chamada revolução cultural, que visam destruir as bases da civilização cristã, sobretudo a família.
O manifesto também aponta as coincidências das atitudes que vem tomando o candidato Humala com as que Fidel Castro tomou no início da revolução cubana. Assim como Castro se mostrava um católico fervoroso antes de se revelar um ateu marxista – ostentando inclusive medalhas de Nossa Senhora dependuradas no pescoço – Humala segue a mesma linha, deixando-se fotografar de rosário em punho e declarando vir de “família católica conservadora”, para escamotear seu programa anti-cristão.
Para quem deseja mais detalhes do manifesto, basta acessar:
Fonte: http://www.ipco.org.br/home/noticias/de-fidel-castro-a-ollanta-humala-importante-manifesto-de-alerta-ao-povo-peruano

Budalocci.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Jean Wyllys sugere que comunidade gay não vote em Dilma

Do G1, em São Paulo:
No Twitter, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) sugeriu que as lésbicas, gays, bissexuais e transexuais não voltem mais na presidente Dilma Rousseff. Durante todo o dia, o deputado fez citações no micro blog em protesto a decisão do governo que suspende o kit anti-homofobia que seria distribuído nas escolas.

'Sou obrigado a elogiar a Dilma', diz Bolsonaro sobre suspensão de kit

Giovana Sanchez - Do G1, em São Pualo
O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) elogiou a decisão da presidente Dilma Rousseff de suspender a divulgação do 'kit anti-homofobia' nesta quarta-feira (25). "Veio bastante tarde, mas vou ser obrigado a elogiar a Dilma. Comecei nessa briga desde novembro do ano passado, apanhei muito ao longo disso aí, fui acusado de um monte de coisa, racista, homofóbico, mas chegaram à conclusão de que eu tô certo. [...] A Dilma deu um passo atrás porque 90% da população está contra essa proposta.", disse o deputado ao G1, por telefone.

Argentina queria invadir o Brasil com apoio de Hitler.


"A estupidez é infinitamente mais interessante que a inteligência.
A inteligência tem limites, mas a estupidez, não".
Claude Chabrol

Presidente, diga a que veio

Uma boa notícia no front: o governo federal espera concluir e enviar ao Congresso, até junho, proposta para desonerar a folha de salários das empresas. A idéia é trocar um imposto (parte da contribuição previdenciária) por outro (sobre o faturamento da empresa). Não será mera troca de seis por meia dúzia, se tal exercício matemático for feito com inteligência e resultar em justiça tributária, distribuição mais equilibrada de encargos entre diferentes setores da economia e se o governo não aproveitar para enriquecer seu caixa.
A desoneração da folha é parte relevante das reformas trabalhista e tributária: ajuda a incluir trabalhadores hoje excluídos de direitos, reduz o custo das empresas de produzir no Brasil, atrai investimentos privados e expande o emprego. É tudo de bom, desde que feita com equilíbrio e cuidado para não piorar o déficit da Previdência e, ainda, não aumentar a já pesada carga tributária. É boa a idéia de diferenciar alíquotas do novo imposto por setores, desonerando exportadores e os que usam mão de obra intensiva e onerando os de capital intensivo que geram menos empregos. É algo na direção de melhor justiça tributária. Mas esperemos as regras. A ver.
A presidente Dilma Rousseff quer usar a estratégia de tocar as reformas em fatias, em vez de apresentar pacotes acabados. A primeira fatia é a da folha de salários. Trata-se de uma estratégia pragmática que tenta anular trapalhadas do passado do PT de demonizar as reformas. Mas não está nos planos de Dilma mudar regras - nem pontuais nem empacotadas - para desarmar a bomba que a cada ano multiplica o déficit previdenciário. A reforma da Previdência é difícil, é verdade, mas tocá-la é obrigação de um governante consciente e responsável, que não mira só sua popularidade. E, quanto mais demorar, pior será para um país como o Brasil, onde a população idosa (felizmente) tem crescido de forma acelerada. Os países europeus demoraram e hoje enfrentam oposição agressiva nas ruas e falta de dinheiro para pagar aposentadorias.
A decisão de reduzir o custo do trabalho deve ser festejada nem tanto pelo conteúdo das mudanças - ainda pouco conhecidas e não testadas -, e mais pela atitude de agir de olho no futuro, corrigindo estruturas que o tempo tornou ultrapassadas. Falta ao governo Dilma um programa, um rumo na direção de modernizar certas estruturas do País - o que FHC começou, mas não teve tempo de terminar, e Lula simplesmente ignorou, movido pelo interesse político de não abalar sua sagrada popularidade.
Dilma tem só cinco meses de governo. Mas já deveria ter apresentado aos brasileiros um plano de vôo que seja - que pode até mudar de rota aqui e ali, mas é essencial para orientar decisões privadas que empurrem o País ao progresso. Seu anúncio era esperado na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), no final de abril, mas Dilma se limitou a divulgar os programas de erradicação da pobreza e capacitação profissional. Deixou de fora o saneamento básico, de que a população pobre é tão carente.
Seu governo deve ao País um programa de desenvolvimento focado, sobretudo, em remover os gargalos na infraestrutura, obstáculos ao tão proclamado desenvolvimento sustentado, sem riscos de recuos. Nesse setor a impressão é de que o governo age desorientado, a reboque dos acontecimentos, sempre correndo para apagar incêndio. É o caso dos aeroportos: Lula deixou rolar e nada fez, Dilma demorou a descobrir que a Infraero não dava conta, decidiu privatizar faltando três anos para a Copa e, agora, vive a encrenca de não conseguir concluir as obras a tempo. Em vez de reduzir, surpreende-se com um crescimento acelerado do desmatamento na Amazônia e corre para criar um gabinete de crise. Deixa a inflação prosperar e, diante da ameaça de descontrole, recorre a paliativos, não ataca o mal pela raiz.
Lula fez quase nada em infraestrutura. Politizou as agências reguladoras, transferiu poder para os ministérios e daí mesmo é que não saiu nada para melhorar a regulação e fomentar o investimento privado. Está na hora de Dilma dizer a que veio.
*Texto por Suely Caldas - JORNALISTA, É PROFESSORA DA PUC-RIO E-MAIL: SUCALDAS@TERRA.COM.BR - O Estado de São

Febraban orienta a não aceitar notas manchadas de tinta.

A Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), emitiu nota onde orienta a população a rejeitar as cédulas que estiverem manchadas de tinta. Isto porque, boa parte dos caixas eletrônicos está equipada com um dispositivo que mancha as cédulas com tinta rosa após a explosão do terminal por ladrões de banco.
A federação informa que as cédulas manchadas estão sendo tratadas da mesma forma que as notas falsificadas. A Febraban esclarece que o dinheiro não perde seu valor, mas diz em nota publicada em seu site que as pessoas podem se recusar a receber o dinheiro marcado.
Os bancos estão orientados a reter as notas marcadas, fazer a identificação do seu portador e encaminhar as cédulas suspeitas para análise do Banco central. A Febraban e o Banco Central têm se reunido constantemente para adotar procedimentos que ajudem a coibir os roubos a terminais e dificultar o uso do produto roubado.
OBS: QUEM MESMO DE BOA FÉ ACEITAR UMA NOTA MANCHADA, AO REPASSÁ-LA PODE SER SUSPEITO OU ATÉ MESMO PRESO ATÉ QUE PROVE SUA INOCÊNCIA. PARA ESTAR A SALVO DESSE PROBLEMA NUNCA ACEITE NOTAS MANCHADAS.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Fora Haddad!

No Globo:
Reunidos, a bancada de evangélicos e católicos da Câmara defendeu a renúncia ou a demissão do ministro da Educação, Fernando Haddad. Os religiosos estão revoltados e acusam Haddad de ter descumprido a palavra a respeito da discussão sobre o material de combate à homofobia nas escolas. Na semana passada, Haddad reuniu-se com essa bancada, na Câmara, e afirmou que o desconhecia (três vídeos e material impresso), mas aceitou a indicação de parlamentares desse grupo para participar da discussão.
No fim de semana, o ministro afirmou que teve acesso a esse material e que não entendeu haver os problemas apontados pelos religiosos, que o consideraram uma apologia ao homossexualismo e que, ao contrário de seu propósito, estimulava a homofobia. Evangélicos e católicos afirmaram que se sentiram traídos e querem a demissão de Haddad...
COMENTO: De certa forma as bancadas venceram, pelo menos, parcialmente. A "presidenta" resilveu vetar os filmes que, digamos, induzem a homoafetividade.

Governo deu um milhão e quinhentos mil reais para kit gay.

O ativista gay Beto de Jesus, membro da ABGLT (a maior organização gay do Brasil e responsável pela elaboração do kit gay para distribuição nas escolas públicas), confessa nesta reportagem que o governo deu um milhão e quinhentos mil reais, através de emenda parlamentar do Dep. Chico Alencar (PSOL-RJ), para produzir o kit gay e critica o ministro da Educação por estar demorando muito na distribuição do material gay nas escolas. A reportagem está neste link: http://www.youtube.com/watch?v=jh2Tw2IR4Hc
É assim que, sob a cobertura e financiamento milionário do MEC, ativistas homossexuais prepararam um dos maiores materiais de doutrinação homossexual para as crianças de escola pública. Com o kit gay, vai ser fácil criança virar gay.
Hoje, Dilma vetou os filmes. Achou-os "muito pesados".

Investigação em Campinas chega ao entorno de Lula e deixa PT apreensivo.

José Carlos Bumlai, empresário amigo do   ex-presidente, é um dos focos da apuração sobre suposto esquema de propina   envolvendo empresa de água e esgoto; interceptação telefônica revelou intenção   do pecuarista de negociar delação premiada e proteger petista.Fausto Macedo - O Estado de S.Paulo:
Relatório de 408 páginas sobre suposto esquema de corrupção e mensalinho na   Prefeitura de Campinas (SP) agita o PT. O documento feito por quatro   promotores do Gaeco, núcleo do Ministério Público que combate o crime   organizado, sustenta ordem judicial de prisão contra 20 suspeitos - entre eles   o vice-prefeito Demétrio Vilagra (PT), foragido desde sexta feira -, e cita   como alvo da investigação o pecuarista e empresário José Carlos Bumlai, amigo   do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), de quem é anfitrião em   momentos de lazer.
Apontado como elo da empreiteira Constran com diretores   da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A (Sanasa), empresa   responsável pelo planejamento, execução e operação dos serviços de água e   esgoto da cidade, Bumlai teria admitido a possibilidade de fazer delação   premiada para "proteger Lula". O advogado de Bumlai, Mário Sérgio Duarte   Garcia, nega taxativamente ligação do empresário com propinas em Campinas. "É   uma acusação criminosa."
Lula é próximo também do prefeito Hélio de   Oliveira Santos, o Dr. Hélio (PDT), seu aliado nas campanhas de 2002 e 2006 e   apoiador de Dilma Rousseff em 2010. A mulher do prefeito, Rosely Nassim, está   na mira da promotoria. A investigação a coloca no topo da suposta organização   criminosa. A primeira-dama, chefe de gabinete do marido, não foi presa porque   um habeas corpus a livrou liminarmente de "medida coercitiva".
O nome de   Bumlai é mencionado na interceptação telefônica de um diálogo entre um   advogado e Luiz Augusto Castrillon de Aquino, ex-diretor-presidente da Sanasa,   foco do desvio de verba em Campinas, segundo a promotoria. À página 271, o   relatório destaca que, em 26 de abril, Aquino conversa com o advogado após   reunião com um homem chamado de Ítalo Barione.
"De acordo com Luiz Aquino,   Ítalo Barione estaria colhendo informações, a pedido do próprio José Carlos   Bumlai, para viabilizar a formalização, junto ao Ministério Público, de   delação premiada em favor dele", informa o documento. "Aquino relata que   Bumlai teria intenção de proteger Lula." Um resumo da conversa, nos autos da   promotoria: "Aquino diz que Bumlai quer fazer acordo e "o que ele puder fazer   para proteger Lula, tudo bem"".
Pertinência. Para os promotores, "o teor do   diálogo é totalmente pertinente". Eles falam das relações de Bumlai e Lula. "O   empresário talvez tivesse a preocupação de não propiciar uma exposição   negativa em razão da amizade de ambos."
A delação premiada não ocorreu.   Bumlai não depôs no inquérito. Segundo o relatório, "informações apontam que a   participação de Bumlai no esquema investigado extrapola a simples   representação dos interesses da Constran junto ao grupo de Rosely Nassim e o   correlato repasse de porcentuais do contrato mantido com a Sanasa".
"Já há   informações no sentido de que Bumlai teria participação ainda mais direta no   esquema de corrupção, inclusive com possível ascendência sobre Rosely Nassim",   diz o texto. "Resta aferir é se a aventada intenção de Bumlai de formalizar   uma delação premiada se deve apenas à sua participação no repasse de   porcentuais do contrato da Constran ou se ele ocupa alguma outra função mais   específica dentro do esquema criminoso investigado."
Mensalinho. A base da   investigação que alvoroça o PT são os depoimentos de Aquino, que presidiu a   Sanasa de janeiro de 2005 a julho de 2008. Ele fez delação premiada, em dois   extensos depoimentos. Detalhou o mensalinho. Servidores recebiam parcelas   fixas na divisão dos porcentuais de propinas. Aquino disse ter sido   "coordenador estratégico da campanha de Dr. Hélio em 2004, da qual "Bumlai   participou ativamente".
"No início do primeiro mandato, o prefeito nomeou a   mulher chefe de gabinete, tendo ela assumido amplos poderes na gestão", disse   Aquino. "Rosely decidiu montar esquema de arrecadação financeira clandestina   na administração. Ou ingressava no esquema e propiciava a arrecadação ilícita   de fundos ou era tirado do cargo que ocupava. Ela controlava praticamente   todos os setores da administração."
Segundo Aquino, a primeira-dama   "estabelecia metas anuais". "A arrecadação dos valores referentes aos   contratos de prestação de serviços ficaria a meu cargo. A arrecadação dos   contratos de obras ficaria a cargo de Aurélio Cance Júnior, diretor técnico."   Cance Júnior está preso. Aquino citou oito contratos. "Os porcentuais (da   propina) variavam de 5% a 7% sobre o valor da obra."

terça-feira, 24 de maio de 2011

Todos iguais?

Entre senadores do PT, Luiz da Silva saiu em defesa de Palocci
Em almoço nesta terça-feira com a bancada de senadores do PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que não seja colocada em dúvida a conduta de Antonio Palocci (Casa Civil) e disse que cabe a quem acusa provar que houve irregularidade na evolução patrimonial do ministro.
Depois de cerca de três horas de encontro a portas fechadas --realizado na casa do ministro Paulo Bernardo (Comunicações) e da senadora Gleisi Hofmann (PR)--, Lula saiu sem falar com a imprensa.
Segundo relatos de participantes do encontro, a avaliação geral foi de que o discurso a ser adotado é o de que não há até o momento elementos para que haja perda de confiança em relação ao ministro, que teria atuado com "seriedade" tanto no governo quanto em seu período como deputado federal..
Vários senadores repetiram, na saída do almoço, o argumento de que cabe a quem acusa provar a existência de delito.
"Até o presente momento não há nada consistente, nenhuma acusação frontal que possa abalar a nossa confiança no procedimento dele", afirmou Humberto Costa (PE), líder do PT no Senado. (Folha online)
COMENTO: O ex-presidente Luiz da Silva, que está enriquecendo rápido com palestras no Brasil e no exterior, parece querer, como sempre, proteger mais um "aloprado".
É claro que sua estratégia é "empurrar com a barriga" as denúncias em relação a Palocci. O mais incrível é que gente desse tipo - e aí incluem-se os tais senadores e demais membros do governo - não tem o menor pudor em ignorar a gravidade de um parlamentar ( ex-ministro da Fazenda) , ligado e com acesso a informações valiosas do governo, faturar tão alto e durante tão pouco tempo.
Luiz da Silva, ao que parece, pelo menos esperou sair do governo para se "arranjar". Tratou de  "fazer palestras" e, valendo-se do seu "conhecimento científico", bateu recordes mundiais em ganhos com palestras.
Se Luiz é ignorante, sob muitos aspectos, não tenho dúvidas, mas que é mais sabido que Palocci, isto tenho certeza.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

É muita conversa fiada.

É muita conversa fiada. Agora o ministro da Justiça diz que se Palocci revelar para quem trabalhou será processado por quebra de confidencialidade.
O ministro da Justiça está pensando que os brasileiros são imbecis. Qual a empresa que teria coragem de processar o ministro-chefe da Casa Civil, Antônio Palocci Filho, se ele revelasse que lhe prestou serviços de consultoria? Por qual motivo romperia com o governo e com o todo poderoso Palocci? Ninguém está pedindo o conteúdo da consultoria, portanto não há quebra alguma de confidencialidade. O que está sendo pedido é o objeto e o valor cobrado. Qual o problema de uma grande empresa revelar este vínculo profissional, se ele não fere a lei? A não ser que a consultoria seja ilegal, imoral ou ilícita. Aí sim, as duas partes tem direito de esconder o crime, pois ninguém é obrigado a produzir provas contra si.  Agora, por favor: ministro da Justiça vir com este tipo de justificativa é chamar todos nós de imbecis.
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou nesta segunda-feira, 23, que considera muito ruim condenações públicas de agentes do governo e afirmou que a evolução patrimonial do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, ocorreu dentro da legalidade. "O enriquecimento com causa justificada não é crime", disse o ministro, durante almoço debate promovido pelo Grupo de Líderes Empresariais - Lide, em um hotel da capital paulista.
Segundo Cardozo, Palocci não pode detalhar a relação de clientes e de ganhos da empresa devido ao contrato de confidencialidade assinado por ele, o que implicaria, no caso de divulgação, em um processo judicial contra o ministro. "Acho muito ruim, sem que nós tenhamos provas, condenarmos as pessoas". A notícia é do Estadão.
Postado por O EDITOR

Bemaventurada irmã Dulce dos pobres.

Rezo para que nossa querida Irmã Dulce interceda por nós perante Deus. Não quanto à pobreza e miséria no nosso País, mas que interceda para acabar com o enriquecimento ilícito dos nossos atuais e desavergonhados governantes. Os mesmos governantes que desavergonhadamente se intitulam "pais e mães dos pobres" e, entre mentiras, declaram querer acabar com a miséria em nosso país. Miséria se acaba com trabalho, seriedade e honestidade.
Não é aumentando seus patrimônios vinte vezes a cada quatro anos que se combate a fome e a miséria. Não é com corrupção em cima de corrupção e impunidade em cima de impunidade que se faz um Brasil decente. Nossos governantes deveriam criar vergonha na cara e perceber que, acima de tudo, são eles próprios que criaram a miséria que assola nosso país.
Sim, rezo para que nossa bemaventurada Dulce dos Pobres interceda junto a Deus para que a honestidade e a decência voltem a reinar em nosso Brasil e em nossos corações.
Que a riqueza roubada dos pobres volte a ser usada em prol deste povo sofrido e miserável. Rezo para que estes governantes corruptos e amantes da impunidade, um dia, sintam na pele o que é a fome e a miséria e que, como eu, se envergonhem perante Deus e perante a pureza e decência de Irmã Dulce.
*Siegmar Metzner – Curitiba, 23 de maio de 2011

domingo, 22 de maio de 2011

Paloci: Dinheiro público para a cunhada.

O ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, destinou verbas do Orçamento da União a uma entidade cuja vice-presidente é sua cunhada. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.
De acordo com a publicação, o caso ocorreu quando ele ainda ocupava uma cadeira na Câmara dos deputados. No entanto, a Lei de Diretrizes Orçamentárias veda a destinação de recursos a entidades privadas dirigidas por parentes de agentes políticos.
Segundo o jornal, em 2008 o então deputado apresentou uma emenda ao Orçamento no valor de R$ 250 mil. A beneficiária seria a Fundação Feira do Livro de Ribeirão Preto. Até hoje, a cunhada de Palocci, Heliana da Silva Palocci, é a vice-presidente da companhia.

Bom conselheiro.

Sermão do bom ladrão.

Nem os reis podem ir ao paraíso sem levar consigo os ladrões, nem os ladrões podem ir ao inferno sem levar consigo os reis.O que vemos praticar em todos os reino do mundo é ,em vez de os reis levarem consigo os ladrões ao paraíso, os ladrões são os que levam consigo os reis ao inferno.
Antigamente os que assistiam ao lado dos príncipes chamavam-se laterones. E depois, corrompendo-se este vocábulo chamaram-se latrones. E que seria se assim como se corrompeu o vocábulo se corrompessem também os que o mesmo vocábulo significa?
O que só digo e sei, por teologia certa, é que em qualquer parte do mundo se pode verificar o que Isaías diz dos príncipes de Jerusálem: Principes tui socci furum: os teus príncipes são companheiros dos ladrões. E porque?
São companheiros dos ladrões, porque os dissimulam; são companheiros dos ladrões porque os consentem; são companheiros dos ladrões porque lhes dão os postos e poderes; são companheiros dos ladrões porque talvez os defendam; e são finalmente seus companheiros porque os acompanham e hão de acompanhar ao inferno,onde os mesmos ladrões os levam consigo."
*Padre Vieira (jesuita) no Sermão do Bom Ladrão diante de D.João IV e sua corte em 1655

sábado, 21 de maio de 2011

Erenice Guerra piorada.

Mas por que Antônio Palocci Filho é uma Erenice Guerra piorada? Porque ele também inventou um empresa de consultoria, chamada Projeto Consultoria, que começou com palestras, passou por finanças e economia, acabando em negócios imobiliários. Também atendeu empresas que tinham negócios com o governo, um prato cheio para exercer a sua influência e o seu posto de futuro ministro. E, agora, também informa que cobrava uma "taxa de sucesso", para tentar, através do expediente do ganho variável e sem limites,  explicar o espetacular faturamento de R$ 10 milhões em apenas dois meses, logo após a eleição de Dilma.  Só que o caso de Palocci é muito pior: ele é o beneficiário direto das negociatas, não existe nem ao menos um laranja para jogar a responsabilidade.  O negócio do filho da Erenice Guerra não era consultoria coisíssima nenhuma. Era lobby e tráfico de influência. Palocci, assim como Erenice Guerra,  não tem nada a oferecer que não seja este tipo de serviço. Não tem competencia para cobrar "taxa de sucesso" que, na verdade, é o nome artístico de comissão ou até mesmo de propina. Não há nada de novo no caso Palocci. Ele é apenas uma Erenice Guerra piorada.
* Lilicarabina

Oposição e frouxidão.

Aécio pede explicações e...desculpas. Que oposição é esta?
...os tucanos andam confundindo disputas políticas com cursos de boas maneiras. Ou concursos de Miss Simpatia, sugeriu a entrada em cena de Aécio Neves, que só na manhã de terça-feira emergiu de mais um surto de mudez.
Simultaneamente, o senador mineiro pediu explicações a Palocci e desculpou-se pelo pedido. “Esse é o momento, e essa é a posição majoritária da nossa bancada, de criar condições para que esses esclarecimentos possam vir a ser dados”, começou o minueto. “Temos que ter serenidade para não prejulgar e firmeza para aguardar os esclarecimentos do ministro. Creio até que ele é o maior interessado”. Sem que ninguém perguntasse, Aécio também julgou necessário lembrar que “a oposição não deseja desestabilizar o governo”.
Em 2006, quando o caso do estupro da conta bancária do caseiro Francenildo Costa obrigou o presidente Lula a trocar de ministro da Fazenda,o despejo de Palocci nem de longe ameaçou a estabilidade do Planalto. Por algum motivo, o próprio Aécio resolveu insinuar que o eventual afastamento do chefe da Casa Civil resultaria numa grave crise institucional. Nem os petistas mais imaginosos pensaram nisso. Dilma Rousseff deve mais essa ao cordialíssimo oposicionista.
*Extraído do texto de Augusto Nunes

Palocci precisa explicar...

Não sei o motivo de tanta polêmica em torno desse "milagre" operado pelo ministro Antonio Palocci, ao multiplicar por 20 a sua fortuna em apenas quatro anos. Só existem duas possibilidades: 1) O acúmulo da excepcional riqueza, em tão curto espaço de tempo foi realmente fruto do trabalho de consultoria que teria sido prestado pelo ministro à algumas empresas, de forma legal; 2) A multiplicação da riqueza foi feita através de prestação de trabalho espúrio, no qual o ministro teria feito uso de informações privilegiadas para favorecer empresários, que retribuíram o serviço ilegal com pagamentos também ilegais. A comprovação sobre o que realmente aconteceu é absolutamente fácil, posto que ao prestar consultorias o senhor Palocci teria de ter todos esses trabalhos devidamente documentados, inclusive com a emissão de Nota Fiscais de prestação de serviço, com a devida descrição da tarefa efetuada, além dos recibos dos impostos pagos por conta dos valores arrecadados. Será tão difícil que os órgão de auditorias governamentais façam os levantamentos necessários para comprovar como os fatos ocorreram? O que causa tanta estranheza é exatamente o fato de que, ao invés de explicar claramente como ocorreu o "mágico" aumento do patrimônio de Palocci, os governistas estejam mais preocupados em escamotear fato e blindar o acusado. Huuummm! Isso não está cheirando bem. O que será que estão tentando esconder?
*Júlio Ferreira - www.ex-vermelho.blogspot.com

Uma obscenidade criminosa.

Por Augusto Nunes:
Desde que não atrapalhem a vida dos ricos de estimação criando problemas que o governo é obrigado a resolver, confirma a entrevista de Francenildo Costa ao site de VEJA.
O apego à verdade custou ao caseiro da República de Ribeirão Preto o estupro do sigilo bancário, um interrogatório na Polícia Federal, a acusação de ter recebido de partidos de oposição os R$ 30 mil depositados pelo pai biológico e a perda do emprego.
A opção pela mentira tornou ainda melhor a boa vida de Antonio Palocci.
Aconselhado a afastar-se do Ministério da Fazenda depois da violação da conta de Francenildo na Caixa Econômica Federal, jamais confessou que foi o mandante do crime.
Apesar disso, ou por isso mesmo, elegeu-se deputado federal em outubro do mesmo ano, reforçou as ligações com o Planalto, aproximou-se ainda mais de Dilma Rousseff durante a campanha e voltou ao coração do poder como chefe da Casa Civil.
Entre 2006 e 2010, soube-se agora, encontrou tempo para multiplicar por 20 o patrimônio.
O médico sanitarista que nunca clinicou virou consultor financeiro sem diploma de economista. E ficou rico.
O destino só foi inclemente com a vítima.
Por ter confirmado que Palocci frequentava regularmente a mansão que jurou não conhecer, Francenildo nunca mais conseguiu emprego fixo. Continua pobre.  Sobrevive com trabalhos temporários, que lhe rendem mensalmente pouco mais de R$ 1 mil, e segue à espera da indenização que a Caixa tenta não pagar, fixada pela Justiça em R$ 500 mil.
Só o apartamento novo de Palocci, comprado por R$ 6,6 milhões, vale 13 vezes mais que isso.
Francenildo parece menos intrigado com o preço do imóvel do que com o estridente silêncio do ministro.
Cinco anos depois do estupro da conta do caseiro, Palocci invoca a cláusula de confidencialidade inserida nos contratos para manter em sigilo a lista dos clientes que o transformaram num dos mais prósperos consultores do país. “Por que ele não explicou de onde veio o dinheiro? Na minha época eu tive de explicar”, lembra o antigo caseiro da mansão em que Palocci descansava dos serviços prestados à nação.
Com a naturalidade dos que não têm culpa no cartório, Francenildo deduz que isso é coisa de culpado.
“O cara que não diz de onde veio o dinheiro é porque o dinheiro é suspeito”, resume. Se não tivesse nada a esconder, raciocina, bastaria a Palocci revelar os nomes dos clientes.
Ao escondê-los, reforça a versão segundo a qual quase todos os fregueses tiveram ou têm pendências a resolver com o governo de que Palocci sempre fez parte, com ou sem gabinete no Planalto.
Para localizar o caminho das pedras, contrataram não o consultor financeiro que o ex-ministro nunca foi, mas o político que sempre será.
A carta endereçada aos congressistas que o infiltrou na seleção de craques do mercado financeiro foi outra má ideia. “Persio Arida, André Lara Rezende, Pedro Malan e Mailson da Nóbrega têm atividade privada de conhecimento público, Palocci manteve atividade secreta no exercício da função pública”, replicou o deputado baiano Jutahy Magalhães.
Nenhum deles foi deputado nem se interessou pela carreira política, poderia ter acrescentado o parlamentar tucano. Já eram economistas respeitados antes da passagem pelo poder. E, por serem identificados com a oposição, não têm a chave das portas secretas que Palocci carrega há mais de oito anos.
Nesta quarta-feira, em seu blog, o ex-governador Alberto Goldman pôs o dedo na ferida que a oposição oficial finge não enxergar: “Palocci não apenas usou de seus conhecimentos adquiridos, o que seria legal e moralmente aceitável, mas usou de sua influência sobre um governo que, mesmo fora dele, ainda em grande parte comandava”, constatou Goldman.
O que Palocci fez é muito parecido com o que faz José Dirceu. Se não divulgar a lista de clientes, o chefe da Casa Civil estará confessando que enriqueceu não como consultor, mas como traficante de influência.
Isso é mais que uma ilegalidade.
É uma obscenidade criminosa.

O governo tenta esconder a verdade.

O governo está todo embananado porque sabe que está lidando com fogo amigo. Não tinha o que dizer; não tinha palavra de guerra. Por isso foram chamar o Mestre da Truculência, o Profeta do Controle da Mídia, o prefaciador de livro de um homem que confessa ter matado ao menos 10 pessoas - em nome da causa naturalmente. Em nome da causa, essa gente faz qualquer coisa. O “inteligente” Franklin Martins resolveu reeditar a guerra. Vamos ver se a farsa vai funcionar.
Não obstante, Palocci continua a sangrar. Agora se sabe que ao menos R$ 10 milhões dos R$ 20 milhões que sua empresa faturou no ano passado foram pagos depois da eleição de Dilma, quando já se tinha como certo que ele seria ministro, sem contar todos os postos importantes que ocupou na Câmara, como bem lembra editorial do Estadão, que lidavam com temas que interessavam a potentados do capital — seus potenciais (e reais) clientes. O jogo bruto começou. Este cheiro de pólvora que se percebe é Franklin Martins na área. Ele é bom disso.  (Reinaldo Azevedo)
COMENTO: O governo não tem saída. Todos os indícios levam ao tráfico de influência. Se não há provas " contundentes" como pedem os petistas, há evidências. Não se pode negar o óbvio. O individuo abre uma empresa de "consultoria", de repente, e fatura altíssimo, grande parte disso no ano eleitoral e, em quatro anos, fica rico.
Dizem por ai que Palocci já decretou: Ou o PT o tira da saia justa ou ele abre o jogo. Segundo a rádio corredor, Palocci haveria afirmado que tem muito mais gente que enriqueceu, de repente, no governo Lula/Dilma.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

O que que é isso "cumpanheiro"?

O 'companheiro' Palocci é daqueles petistas que defende o socialismo para o povo e as mordomias para ele e sua turma. Afinal, ninguém é de ferro, né Palocci? Ainda mais quando rola um dinheirinho assim de repente...

O orgulho de ser gay

                                                
     Aos poucos, muitos brasileiros se distanciam de sentimentos como o orgulho, o amor à pátria e os bons costumes.
     Não sabemos se a transformação se deu por artes da evolução da humanidade ou por reflexões ideológicas da esquerda brasileira.
     Sem perceber, porém desconfiando, nossos níveis de padrões, alguns até da pétrea moral, foram entortando, entortando e, de repente, num abrir e fechar de olhos, estamos seguindo a cartilha do politicamente correto, firmes no cavalo, mas destituídos de qualquer senso.
     Graças ao tudo pode e a liberdade total, demos um passo à frente, atropelando todos os tipos de preconceitos. Acabamos com os não pode. Pelo menos para alguns. O Palocci pode, porém você, é provável que ainda não possa (o Bolsonaro, também não pode).
     Como o exemplo vem de cima o desgoverno foi o 1º a demonstrar que tudo pode.  Que bom.
     Chegamos à sociedade sem limites, sem culpa, sem consciência. Acabamos com a propriedade privada, com a família e com o mérito. Enterramos a punibilidade, prestigiamos o golpe, aceitamos as maracutaias, e elegemos os canalhas.
     Na prática, abrimos espaço para que todos, venham de onde vierem, tenham êxito nesta terra, cujo cenário, se para alguns assemelha - se a um bordel, para outros emerge como o “eldorado” das oportunidades.
     É uma terra diferençada. Onde, os patifes e canalhas, que também são filhos de Deus, poderiam alcançar tal projeção, obter tanto sucesso?
     Nós já nos orgulhamos da ABL, da vitória sobre o Paraguai na Guerra da Tríplice Aliança, da Contra - Revolução de 31 de março, da Amazônia, da FEB, de personagens heróicos, de Tiradentes, contudo, nosso orgulho foi se arrefecendo e, por isso, hoje, temos inveja do orgulho gay, talvez a último sopro de “dignidade” que ainda resta neste País.
     Sempre nos orgulhamos de nossa capacidade de miscigenação, por isso, brancos e pretos andavam sem preconceito. De repente, numa população na qual, provavelmente 50 % têm um pé nos dois lados, descobrem para nós, que lá ano fundo grassava uma torpe inveja. Os brancos perseguiam os pretos que odiavam os brancos. Daí as cotas para prejudicar os brancos e contrabalançar as diferenças.
     Assim, nosso orgulho diante de nossa falta de preconceito transmutou - se em vergonha. Éramos sacanas e não sabíamos.
     Da mesma forma, aqueles olhares de reprovação e até o carinhoso epíteto (“seu viadinho”) com que brindávamos os enrustidos gays, hoje, por vingança, os nossos representantes transformaram - nos em crime.
     Se antes, tínhamos orgulho de não sermos gays, hoje lamentamos não ser (agora é tarde, pois dizem que se nasce com este dom), pois é o único orgulho que ainda resta por aí.
      Ah, como éramos preconceituosos. Ainda bem que temos um governo atento aos nossos maus – costumes, e uma barulhenta minoria (?) que se orgulha de dar as costas para os inimigos, amigos, amantes e desafetos.
     De fato, como ensinamento, é de costas que se vai ao longe. Se assim proceder, esteja certo, você perde um monte de coisas (supérfluas), mas, pelo menos, o seu orgulho cresce (quanto mais sacana, mais orgulho).
     Assim, o orgulho gay, recentemente, obteve retumbante vitória no STF, incapaz de decidir o caso Batistti, mas capaz atropelar a cambaleante Constituição em prol da alegre e orgulhosa comunidade. 
     A luta continua colegas gays e assemelhados, pois logo virá o benefício do sistema de cotas. Que nas novelas já existe (para cada três, um é?).
     Vai ser orgulhoso lá longe.
*Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira - Brasília, DF 20 de maio de 2011

Caso Palocci: Governo deverá usar estratégia do bateu levou.

Os ex-guerrilheiros se encontram para salvar Palocci.

O ex-ministro da Comunicação Social Franklin Martins está no Palácio da Alvorada, residência oficial da presidente Dilma Rousseff. Apesar de a agenda oficial informar que a presidente estaria apenas com despachos internos, o ex-ministro, responsável por traçar as estratégias de comunicação do segundo mandato do governo Lula, chegou ao Alvorada às 9h50. A atual ministra, Helena Chagas, está no Palácio do Planalto.
A visita de Franklin ocorre em meio a uma crise no governo, gerada por reportagens publicadas da Folha que mostraram o crescimento patrimonial do ministro Antonio Palocci (Casa Civil). Hoje, a Folha revelou que o faturamento da empresa de consultoria de Palocci, a Projeto, faturou R$ 20 milhões em 2010, ano em que Palocci coordenou a campanha que elegeu Dilma. O jornal também mostra que a empresa WTorre, beneficiária de uma série de contratos com o poder público, foi uma das clientes de Palocci.  (Folhapress)

10 motivos para suspeitar de Palocci.


1. Ele escondeu a sua atividade paralela, exercida quando era deputado federal, com acesso a dados sigilosos na Comissão que presidia na Câmara.

2. Ele não revela os serviços que prestava na sua consultoria.

3.Ele não revela os clientes que atendia.

4. Ele teve restituição de imposto de renda  na pessoa física em 2007 e 2008, mesmo com renda como deputado acima de R$ 200 mil, acrescida de ganhos como consultor.

5. Ele mudou o ramo da empresa de consultoria para empresa do ramo imobiliário para administrar única e exclusivamente dois imóveis.

6. Ele manteve a empresa funcionando, o que pressupõe que deva continuar operando, mesmo enquanto ministro.

7. Ele tem antecedentes de usar a máquina pública em seu benefício.

8. Ele foi defendido pelo Michel Temer.

9. Ele foi defendido pelo Gilberto Carvalho.

10. Ele é petista.

A Natalie Lamour do Congresso chama o povo brasileiro de ignorante.


Jean Wyllys é deputado federal pelo PSOL. É aquele rapaz que  venceu uma das edições do Big Brother Brasil. E qual foi a sua arma, então? Declarar-se gay e acusar de homofóbico um grupo de concorrentes. Resultado: fez fama, fortuna e se elegeu para a Câmara. É professor universitário. Sua especialidade? Não sei. A exemplo de Natalie Lamour, a personagem de Deborah Secco na novela “Insensato Coração”, a celebridade de segunda linha tinha vôos maiores. Sua desculpa para participar do reality show é que fazia uma pesquisa… Vejam este vídeo —  e não adianta tentarem tirar do ar porque já fiz cópia. Se o fizerem, publico de novo. ]
É isto:  um povo ignorante o bastante para dar a vitória a Wyllys no BBB e para elegê-lo deputado não pode, segundo ele próprio, decidir certos temas em plebiscito.
Wyllys é como é Groucho Marx: despreza o clube que o aceita como sócio. E acha que o povo não sabe votar. Faz sentido… ( Reinaldo Azevedo )

Mais um adversário de Chávez é assassinado.

Familia e amigos choram o assassinato do jornalista venezuelano.
No Estadão:
O jornalista e ativista político venezuelano Wilfred Iván Ojeda Peralta, de 56 anos, foi morto com dois tiros na cabeça. Segundo autoridades, seu corpo foi encontrado na cidade de La Victoria, na terça-feira. Colunista de um diário local e militante do partido Ação Democrática, de oposição ao presidente Hugo Chávez, ele estava amarrado, amordaçado e encapuzado. A polícia trabalha com a hipótese de execução motivada por vingança.
De acordo com o delegado Alvis Pinto, “as investigações estão bem adiantadas e contam com elementos suficientes para descartar (um eventual) roubo”. Em declarações ao jornal El Aragueño, ele explicou que vários objetos de valor, “como um relógio caro e um anel de ouro” foram encontrados com Ojeda e retificou a informação de que o jornalista teria levado apenas um tiro na cabeça.
O El Universal informou que a investigação do caso tenta descobrir quem seriam os inimigos de Ojeda, que assinava uma coluna de opinião no jornal El Clarín, de La Victoria, e havia desaparecido na segunda-feira. Segundo o diário onde o colunista trabalhava, o corpo apresentava sinais de tortura.
A polícia acredita que ele foi executado próximo do terreno baldio onde o corpo foi encontrado. Sua caminhonete havia sido abandonada. Uma filha de Ojeda contou que ele não aparentava “estar preocupado ou sob pressão” antes de desaparecer, segundo o jornal El Periodiquito. Aqui

Aviso ao Palocci: Quem não deve não teme a transparência e a verdade.

O que Palocci quer esconder?

Ministro pede a Kassab que preserve sigilo fiscal da Projeto
Por Leandro Colon, de O Estado de S. Paulo:
Para evitar qualquer tipo de quebra ilegal do sigilo fiscal de sua empresa, o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, acionou o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. O petista quer evitar que integrantes de escalões inferiores da administração municipal vazem informações sobre a Projeto Administração de Imóveis, que até o ano passado funcionou como empresa de consultoria.
Um interlocutor do ministro telefonou para Kassab na quarta-feira, 18, para alertar sobre rumores de que adversários do ministro estavam trabalhando para conseguir os valores de tributos municipais recolhidos por sua empresa entre 2006 e 2010, período em que Palocci disse ter prestado consultoria a clientes através da Projeto. A revelação, por exemplo, de quanto o ministro recolheu do Imposto Sobre Serviço (ISS), cuja alíquota é de 5% em São Paulo, poderia indicar o faturamento da Projeto, informação que Palocci tem guardado a sete chaves.
Ao recorrer a Kassab, o Palácio do Planalto mostra que conta com seu apoio na crise vivida pelo ministro da Casa Civil após a revelação de que aumentou seu patrimônio em 20 vezes nos últimos quatro anos. Ao deixar o DEM para fundar o PSD, o prefeito de São Paulo tem sinalizado uma aproximação com o governo da presidente Dilma Rousseff. Na conversa com os interlocutores de Palocci, Kassab mandou o recado de que, se depender dele, não haverá vazamento de dados sigilosos de sua empresa que estão ao alcance da Prefeitura. Kassab escalou assessores para acompanhar o caso.
A aliados, Palocci tem debitado a origem da crise a possíveis divergências políticas dentro do seu próprio partido, o PT. Teme que petistas usem a influência conquistada em escalões inferiores na gestão de Marta Suplicy para conseguir informações sigilosas de sua empresa. Palocci também avalia que políticos do PSDB, de olho em desgastá-lo, atuem para obter dados fiscais da Projeto.
COMENTO: Fica evidente que alguma coisa estranha existe nestas transações de "consultoria" de Palocci. Não haveria motivo algum para Palocci se preocupar em esconder seus clientes, se as prestações de serviço fossem direcionados a empresas sem vínculo com o governo.
O que houve Palocci? Lavou dinheiro? A grana entrou por um lado e saiu pelo outro sem o correspondente comproante de gasto? Foi utilizada como caixa dois de candidaturas inclusive a sua?
E claro que apenas se não houvesse um procedimento aético, não haveria a necssidade de desencadear um cuidado especial em manter em sigilo tais empresas, clientes da Projeto.
O silêncio e a blindagem do ministro, gera especulações de toda ordem que vão desde a venda de informações privilegiadas até tráfico de influência no âmbito do Fisco Federal, na aprovação de projetos ou liberação de verbas e financiamentos.
Se tais especulações têm ou não respaldo em evidências, pelo menos indícios Palocci deixa transparecer. 
Alguma coisa Palocci deve. Quem não deve não teme a transparência e a verdade.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

O Brasil saindo da miséria.

Parece que Antonio Palocci nunca sai de moda. Deveria agora escrever um livro: precisa nos contar alguns segredos. O título deveria ser: "Como acabar com a miséria e aumentar seu patrimônio vintes vezes mais em apenas quatro anos." Seria um bom título.
Mas novamente isso já são águas passadas. A comissão de ética já disse: assunto encerrado!
O vice-presidente já defendeu Palocci, homem honrado e imaculado! Marta Suplicy ja defendeu Palocci. Nossa! Se Marta defendeu o homem realmente deve ser um santo. Até José Serra disse que o homem não deve ser crucificado. Viu? Até a oposição defende. Então, logo, Palocci deve ser o Cristo em pessoa.
Mas quanta hipocrisia neste País hein? A imprensa faz o seu trabalho, prova, denuncia, e nunca nada acontece, fica o dito pelo não dito. Vinte vezes em quatro anos? Creio que nem os bancos conseguiram esta proeza. Mas olhando para o passado, mensalões, alugar mansões de prostituição, pago com o dinheiro dos contribuintes, naturalmente.
Sempre imundícies saindo da Casa Civil nos últimos anos. Eu ao menos não estranho mais nada, absolutamente nada. Que dêem logo a medalha da vitória para este senhor também. Quem sabe um título de doutor Honoris Causa de alguma coisa, ele merece. Alguma coisa ele deve ter feito corretamente para merecer. Mas ao menos nossa "presidenta" está dizendo a verdade, não disse que iria acabar com a miséria no Brasil? Bom, ao menos seus "cumpanheiros" todos, já estão saindo desta miséria toda!
* Siegmar Metzner, Curitiba - JORNAL O ESTADO DO PARANÁ ONLINE - 17/05/2011

Bolsonaro é agredido por senadora heterofóbica.

Havia outra pessoa no quarto de Strauss-Kahn, diz jornal.

Outro funcionário do hotel estava no quarto do ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, quando a camareira que o acusa de abuso sexual, Nafissatou Diallo, entrou no local. A informação é da edição desta quinta-feira do jornal francês Le Figaro, que diz ter ouvido fontes próximas à cadeia do hotel Sofitel, onde ocorreram os fatos.
Segundo a publicação, o funcionário estava retirando a louça de uma refeição de Strauss-Kahn quando Nafissatou entrou e perguntou se podia começar a limpeza. De acordo com o empregado, a camareira não precisou abrir a porta, já que ela havia ficado entreaberta. Ao deixar o local, ele diz não ter visto o chefe do FMI no local, mas existe a possibilidade de que ele estivesse no banheiro, ou tenha entrado depois.
Se confirmada, a informação será de extrema importância para o caso já que não há câmeras no corredor que leva ao quarto 2806. Acreditava-se que a única prova de que a camareira havia entrado na suíte seria o registro de sua chave magnética, mas ela não foi usada. O funcionário citado pelo Le Figaro pode ser a única testemunha capaz de indicar que a camareira esteve, de fato, no local do crime.

Bolsonaro x Preta Gil

Milagres de Palocci

Se no Brasil fosse assim...

Ficha criminal do diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn