domingo, 20 de abril de 2014

PT já era! Nunca mais petralhismo!... Brasil é POVO.

"Seis grandes empresas cancelaram palestras que fariam com o líder máximo do Instituto Lula. Três eventos foram adiados no Brasil. Dois cancelados em Portugal e outro não mais acontecerá em Moçambique."
A farsa esta começando a cair para o todo Poderoso
Exclusivo – Além da pressão psicológica que pode fazer mal a um tratamento pós-câncer, o palestrante transnacional Luiz Inácio Lula da Silva já começa a sentir os prejuízos das recentes denúncias de corrupção em torno de seu “santo” nome.
Seis grandes empresas cancelaram palestras que fariam com o líder máximo do Instituto Lula. Três eventos foram adiados no Brasil. Dois cancelados em Portugal e outro não mais acontecerá em Moçambique.
O Rosegate exala cada vez mais cheiro de esgoto para o lado do “mito” Lula da Silva.
A petralhada mensaleira se borra de vez com a certeira ameaça de que Marcos Valério, Carlinhos Cachoeira e Paulo Vieira vão apontar quem era o verdadeiro chefe que comandava os inúmeros esquemas de corrupção.
A temporada de delação premiada tende a evoluir para uma deletação dos principais integrantes do Governo do Crime Organizado. O cagaço é geral na grande fossa em torno do Palácio do Planalto.
O medo de sempre é o crime politicamente insepulto de Celso Daniel – prefeito petista de Santo André sequestrado, torturado e assassinado em janeiro de 2002. Gilberto Carvalho tem tido insônia pois sabe que seu nome pode surgir a qualquer momento como o “articulador” do assassinato de Celso Daniel.
Agora, o promotor de Justiça paulista Roberto Wider Filho intimará Marcos Valério Fernandes de Souza a confirmar a informação de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi extorquido em R$ 6 milhões pelo empreiteiro de lixo Ronan Maria Pinto.
O MP quer saber se o milionário "pedágio" para parar de ameaçar Lula, José Dirceu e Gilberto Carvalho sobre o hediondo crime contra Daniel foi usado por Ronan na compra do jornal "Diário do Grande ABC", em 2003.
O novo medinho vem do baiano Paulo Vieira. O diretor exonerado da Agência Nacional de Águas mandou avisar que não sairá da Operação Porto Seguro como o chefe da quadrilha.
Vieira ameaça denunciar "gente graúda" – bem acima dele.
O fato concreto e explosivo é que Vieira era parceiro de Rosemary Nóvoa Noronha – apadrinhada de Lula da Silva na chefia de gabinete da Presidência da República em São Paulo. Vieira negocia uma delação premiada que pode tornar ainda mais deficitária a conta moral da petralhada – uma espécie de rato de esgoto que, se não for extinta, deve ser banida da vida pública diretamente para a privada.
Pavor maior ainda é se Carlinhos Cachoeira realmente desaguar tudo que sabe. Outro que negocia uma delação premiada, o goiano Carlos Augusto Ramos representa uma ameaça ainda mais perigosa para a cúpula petralha.
Com seus vídeos, gravações e documentos comprometedores, armazenados em núvem e com familiares de confiança, Cachoeira tem tudo para criar problemas para a Presidência da República (na gestão passada e na atual) e para muitos governadores e prefeitos. Basta que Cachoeira revele o mar de bosta em torno da empreiteira Delta (líder do PACo e das mais superfaturadas obras do País).
A revelação dos bastidores de negociatas dos mais variados escândalos (Celso Daniel, Mensalão, Rosegate e Delta-Cachoeira) pode derrubar muitos "condomínios" da República Sindicalista Petista do Crime Organizado.
A alta cúpula do Poder Judiciário, incluindo Ministério Público, Polícia Federal e organismos de inteligência do Brasil e do exterior, nunca na história deste Pais teve tanto apoio para promover delações premiadas que redundem em deletações de políticos corruptos.
A governança do Crime Organizado, marcada pela parceria criminosa entre os podres poderes estatais e bandidos de toda espécie, inviabiliza o desenvolvimento de negócios transnacionais no Brasil. O mundo globalizado acompanha tudo isto com enorme espanto e se retraí em aceitar parcerias com o Governo Brasileiro.
O atual combate ao crime não ocorre por puritanismo moralista, na romântica luta do bem contra o mal. Delações deletarão bandidos do poder porque, simplesmente, a Oligarquia Financeira Transnacional – que sempre investiu em nossos corruptos para explorar o Brasil – agora não aguenta mais pagar tanta taxa criminosa de pedágio para um bando de ladrões fora de controle muitos deles blindados pelo corporativismo que é a tônica do Congresso Nacional.
O momento é de salve-se quem puder. Por isso, Presidenta Dilma Rousseff propagandeia na mídia internacional o seu discurso anti-corrupção, tentando botar uma cortina de fumaça nos escândalos que pipocam a todo momento no Brasil.
As recentes palavras de Dilma ao jornal francês Le Monde sinalizam que, se o tempo fechar institucionalmente por aqui, ela deseja ser poupada e viabilizada como a "faxineira" que apertará o botão da descarga: "Não tolero corrupção. Se há suspeitas fundadas, a pessoa deve partir". Mas na prática protege seu “guru” Lula da Silva.
Semânticamente, numa análise neurolinguística precipitada, o inconsciente coletivista de Dilma poderia estar se referindo ao seu antecessor. Afinal, Lula da Silva
exercia uma evidente presidência paralela usando dois elementos de extrema confiança: Rose no gabinete presidencial paulista e Gilberto Carvalho (sempre ele !!!) na secretaria geral de Dilma.
Como Lula ainda não partiu, agora pode sair partido. O problema da Dilma é ser obrigada a lhe prestar constante fidelidade, com declarações públicas de apoio e exaltação de uma honestidade que fica cada vez mais difícil de comprovar na prática.
O perigo de bagunça institucional se agrava com o conflito entre o desgastado Poder Legislativo e o Poder Judiciário – cuja cúpula surfa na ilusória onda de "salvadores da Pátria".
Com o Poder Executivo afundado no mar de esgoto, o Judiciário tenta se credenciar como o "Poder Moderador" (historicamente exercido pelos militares, depois que derrubaram o Império e proclamaram a República que nunca serviu aos interesses brasileiros).
Tal plano, financiado ocultamente pelos grandes investidores transnacionais, vai ter um final feliz para o Brasil e para os brasileiros?
Eis a grande pergunta que fica sem resposta até que a Profecia Maia sobre o Brasil se concretize, algum dia, quem sabe...
Esta é uma comunicação oficial do Instituto Endireita Brasil.
Reenvie imediatamente esta mensagem para toda a sua lista,
o Brasil agradece. Não se omita !!!!
*Cida Botelho, via Facebook.

A carnificina na Coréia do Norte.

DIGA NÃO AO COMUNISMO, SEMPRE!

sábado, 19 de abril de 2014

A doença que mais matou no mundo: A sociopatia Socialismo.

                            
                                                                                                                                                                        
     Socialismo – Uma armadilha perigosa
        (por Maynard Marques de Santa Rosa)
"Todos os filósofos apresentaram uma interpretação diferente do mundo. Agora, é preciso mudá-lo" 
(Karl Marx).
Mudar o mundo é um delírio do homem, uma pretensão da criatura que se crê acima do próprio criador.
Fruto de vaidade intelectual, certas quimeras levam tempo para serem exorcizadas. Francis Bacon acreditava que: "a ciência e a lógica podem resolver todos os problemas e ilustrar a infinita perfectibilidade do homem". Quatro séculos depois, Jung demonstrou que "a razão do homem, no fundo, nada mais é do que seus preconceitos e miopias", enquanto instintos e arquétipos do seu inconsciente são legados de origem divina. E arrematou: "O racionalismo não garante de forma alguma uma consciência superior, mas tão só unilateral".
No século XX, o ideal socialista tornou-se mítico, com força sugestiva e emocional que transcende a razão. O fervor religioso alimentou a militância de fé em um determinismo dogmático, que chega ao extremo do fanatismo. Religião materialista, em lugar do céu, busca o 'paraíso' na terra.
A fórmula socialista é artificial e autoritária, uma criação de intelectuais e que ignora a experiência milenar das relações humanas."Seus objetivos só podem ser alcançados pela derrubada violenta de toda a ordem social existente", é o que dizia, arrogantemente, o Manifesto Comunista de 1848.
Julga-se o socialista no direito de dispor dos bens alheios, amealhados honestamente, para distribuí-los a terceiros. Abomina a pluralidade natural e padroniza o comportamento das pessoas. Prega uma ordem compulsória, que elimina a consciência autônoma e transforma a sociedade em um grande rebanho a serviço do Estado, controlado por uma oligarquia de partido único. Usa como argumento a meia-verdade de que "o homem é produto do meio", para relegar o livre-arbítrio individual e o direito do mérito.
Mesmo a modalidade branda do "socialismo democrático" mantém a soberba de extinguir o direito de propriedade e expropriar o patrimônio privado – ainda que indiretamente, por meio de impostos.
O homem é um ser social e político, e a massa pensa coletivamente, de modo instintivo, como revelou a psicologia. Sendo lei natural, a evolução humana tende ao bem comum. O uso da razão na solução dos dissídios dispensa os traumas sociais gerados pelas revoluções artificiais, cujo clima abusivo só favorece os psicopatas, oportunistas e tiranos. 2
No Brasil, o poder sempre foi partilhado por interesses, não por ideias. O grupo socialista, organizado conforme as ordens religiosas e com apoio externo, tem a sua influência multiplicada desproporcionalmente. Isoladamente, não é capaz de exercer a hegemonia; mas, em composição com outros grupos partidários, chega ao ponto de impor à sociedade as aberrações de um PNDH-3.
Enquanto isso, imenso rol de problemas aguarda solução. A família, desamparada. A insegurança, alarmante. A corrupção, impune. O direito de propriedade, à míngua de garantia. A infraestrutura de transportes e, agora, a de energia, ineficientes. A gestão da saúde pública e da educação, notoriamente ineficaz. A economia, restrita por encargos tributários e outros entraves à circulação de bens e direitos. A Amazônia, subdesenvolvida e à mercê de nova cabanagem.
Na luta pelo poder, a propaganda tornou-se arma de guerra psicológica. Com a grande mídia silenciada pelos contratos públicos milionários, falta o contraponto da verdade. A motivação ideológica fomenta a divisão, postergando indefinidamente a esperança de um consenso de reconciliação nacional. Embora pouco provável um totalitarismo à brasileira, graças à autonomia dos interesses antagônicos, é inevitável a devastação e o atraso por ideias abstrusas.
Portanto, a ideologia socialista merece revisão. É um mal desnecessário, que deve ser extirpado, para o bem da justiça social e do progresso.

Ambos os lados.

Eu nunca vi.
Os terroristas não torturavam.
Matavam mesmo, inclusive os
próprios companheiros, quando
desconfiavam de alguma traição.
 
Existe copiosa bibliografia que você
precisa consultar, principalmente
autores de esquerda, como Jacob Gorender,
Fernando Gabeira, Helio Silva, Carlos Eugênio
Sarmento Coelho da Paz e tantos
outros. Se ler alguns autores de direita,
então, vai ficar assombrado.
 
São unânimes em afirmar que o que os
terroristas queriam era a cubanização do
país através da luta armada. Não tinha nada
de luta pela democracia.
 
Essa expressão "luta pela democracia"
é um eufemismo da patota que quer
indenização e revogar a lei da anistia.
São loucos pelo passado e por reescrever
a história, como fazia Stálin.
 
Estudar é bom, não tortura, sabe...
 
Abraços,

Waldo Luis Viana, via Grupo Resistência Democrática

Reportagem de O Globo confirma que a diretoria da BR Distribuidora é dividida entre PT, PTB e PMDB.

Pelo loteamento, os cargos de diretoria da BR são ocupados por funcionários de carreira do sistema Petrobras, mas apenas após a indicação e o apoio desses partidos políticos.
Curiosamente, dos quatro principais dirigentes da subsidiária da Petrobras, dois foram indicados pelo senador Fernando Collor (PTB-AL), presidente que sofreu impeachment em 1992 após um escândalo de corrupção.
Os padrinhos
O presidente da subsidiária, José Lima de Andrade Neto, foi indicado ao cargo pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB-MA), ligado ao imortal Presidente José Sarney.
Luis Alves de Lima Filho, diretor da Rede de Postos de Serviço, e Vilson Reichemback da Silva, diretor de Operações e Logística, assumiram os cargos em julho do ano passado, apadrinhados pelo senador Fernando Collor.
Andurte de Barros Duarte Filho, diretor de Mercado Consumidor, foi indicado pelo PT.
E o ex-diretor Financeiro, o agora em desgraça Nestor Cerveró, era do senador petista Delcídio Amaral...

Uma moeda de presente para os socialistas que chamam a direita de nazista.

Muitos socialistas acusam os liberais de nazistas. Ignoram que o nacional-socialismo era similar ao próprio socialismo em vários aspectos, ambos diametralmente opostos ao liberalismo ou ao conservadorismo. De presente a esses ilustres quadrúpedes, ofereço esta moeda, cunhada na Alemanha já nazista, em 1934, como homenagem ao Dia do Trabalho, uma data especialmente celebrada pelos socialistas:
Moeda nazi
Caso, por algum acesso de cegueira psicológica, o estimado socialista não tiver notado, temos nessa moeda a foice e o martelo, símbolos comunistas, bem ao lado da velha suástica, o símbolo nazista. Até o pacto Molotov-Ribbentrop ser rompido pela ganância de Hitler, comunistas e nazistas conviveram em razoável harmonia.
Claro, sempre em concorrência acirrada pela mesma alma abjeta. Mas disputando omesmo território, não campos opostos. Nesses estavam justamente os liberais e os conservadores, repudiando tanto o socialismo/comunismo como o nazismo (nacional-socialismo).
Agora já sabem: sempre que um esquerdista acusar um liberal de nazista, não resta dúvida de que se trata ou de um profundo ignorante, ou de um grandessíssimo cara de pau.
Rodrigo Constantino

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Operação Lava Jato: assessor do ministro da Previdência pede demissão.


O assessor especial do ministro da Previdência, Garibaldi Alves, pediu demissão nesta quarta-feira, 16, após a revelação de que recebeu um pagamento da MO Consultoria Comercial e Laudos ? uma das empresas controladas pelo doleiro Alberto Youssef, investigado na "Operação Lava Jato" da Polícia Federal.
Em carta enviada ao ministro Garibaldi Alves, o assessor especial José Wilde de Oliveira Cabral pede demissão "em caráter irrevogável", justificando que a decisão teria como objetivo afastar o ministro de "cobranças indevidas" e permitir que ele defenda sua honra "longe de deveres funcionais".
O pedido de exoneração ocorreu depois que o jornal O Globo revelou que a MO Consultoria fez um depósito de R$ 20 mil na conta de Cabral, no dia 31 de março de 2011. A transação apareceu na quebra de sigilo bancário das empresas de Youssef, que comandaria um esquema de lavagem e desvio de dinheiro.
Em nota de esclarecimento, Cabral nega ter qualquer ligação com a MO Consultoria. Ele atribui o pagamento a um serviço de assessoria que prestou a uma empresa paulista no fim de 2010, antes de ser nomeado para o Ministério da Previdência. Ele mantém em sigilo o nome da empresa, mencionando cláusula de confidencialidade, mas diz que não se trata da MO Consultoria. Ou seja, a empresa teria sido usada apenas para repassar o dinheiro.
"Esse trabalho esporádico, que então desempenhei, não me permitiu tomar conhecimento de eventuais relações entre empresas, suas coligadas e outras companhias", diz o assessor, acrescentando não ser de seu "dever pesquisar a origem de recursos que, também licitamente", lhe foram destinados.
*Jornal Valor 

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Porto de Mariel utilizado para tráfico internacional de armas.

2014-04-15_162926.png
Porto que o Brasil entregou a Cuba já faz tráfico internacional de armas – O cargueiro norte-coreano descarregou em Puerto Madre, mas recebeu carga de armamentos e material bélico em Puerto Mariel, o porto financiado pelo dinheiro público brasileiro do BNDES. Mísseis e caças Migs escondidos sob carga de açúcar foram flagrados pelas autoridades alfandegárias e militares panamenhas.
Em janeiro deste ano, a presidente Dilma Rousseff esteve na ilha dos irmãos Castro para a inauguração oficial do terminal portuário do Porto de Mariel, em Cuba. A obra ganhou o noticiário nos últimos meses porque o governo brasileiro concedeu, via BNDES, um empréstimo de nada menos que R$ 682 milhões à Cuba para assegurar a obra – dois terços do valor total estimado para o porto. Além disso, os detalhes da transação foram estranhamente mantidos em sigilo, como escreve Gabriel Castro, emhttp://www.veja.com.br.
Mas a história não acaba aí, escreve Castro: "Um relatório elaborado por um painel de especialistas do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) mostra que Cuba utilizou o Porto de Mariel para abastecer com 240 toneladas de armamento e material bélico um navio norte-coreano, em descumprimento a sanções internacionais contra o regime totalitário da Coreia do Norte. A operação, realizada há menos de um ano, fracassou porque a carga secreta foi descoberta por autoridades do Panamá, já no caminho de volta à Ásia".
http://www.dcomercio.com.br/getattachment/ee10682d-859c-4d88-9616-82276c66e575?width=0&height=0
Acima, peças dos caças MIG- 21 apreendidos no Panamá. O deputado Fernando Capez (PSDB-SP) questiona financiamento do BNDES. / Ismael Francisco/ Cubadebate 
        Por causa do flagrante, foi possível reconstituir a rota do navio desde 4 de junho, quando cargueiro Chong Chon Gang parou em Havana e descarregou rodas automotivas e outros produtos industriais até 22 de junho, quando o Chong Chon Gang chegou a Puerto Padre, onde recebeu açúcar para esconder armas.
           A maior parte da carga embarcada em Mariel era formada por componentes que seriam usados em mísseis terra-ar, dos modelos C-75 Volga e C-125 Pechora.
Dois caças MiG-21, desmontados, estavam no carregamento. Muita munição foi encontrada. Também havia lançadores de mísseis, peças de radares, antenas, transmissores e geradores de energia.
O deputado estadual paulista Fernando Capez (PSDB), que moveu ação questionando financiamento do BNDES ao Porto Mariel, diz que sua iniciativa é ainda mais pertinente após a divulgação do relatório do Conselho de Segurança da ONU apontando o embarque das 240 toneladas de armamento no navio norte-coreano a partir do Porto de Mariel, em junho de 2013.
Alegando ilegalidade e inconstitucionalidade, Capez pede que o empréstimo já feito seja declarado nulo, o dinheiro devolvido e que seja concedida liminar para evitar novos financiamentos. E solicita que seja dada, por liminar, ampla publicidade às circunstâncias dessa operação, declarada "sigilosa" por determinação do Poder Executivo.

O PT acabou como partido confiável.

Para o governo do PT, serve o que Roberto Jefferson disse a Zé Dirceu. Em outra palavras: Sai PT, sai de fininho, o que já está preto só vai piorar. Seu fim chegou, ACABOU!....