quinta-feira, 19 de setembro de 2013

O socialismo e sua mais grave e verdadeira forma.

Shin Dong-hyuk teve o dedo cortado pelos carcereiros como punição
Shin Dong-hyuk teve o dedo cortado pelos carcereiros como punição


           A dinastia de três ditadores, a China com o seu apoio cúmplice e o Ocidente com o seu silêncio inexplicável, todos foram insensíveis aos pungentes relatos dos fugitivos que abandonavam a Coreia do Norte.
            As execuções públicas e as torturas são ocorrências diárias, conforme testemunham ex-presos diante da Comissão de Inquérito das Nações Unidas que acabou de ouvi-los em Seul, capital da Coreia do Sul.
            Eles contaram como os guardas cortaram o dedo de um homem, forçaram presos a comer rãs e uma mãe a matar seu próprio bebê, segundo informou a agência Reuters.
            Não obstante tudo isso, foram necessários 50 anos de crimes inomináveis para que a ONU pudesse, afinal, demonstrar algum interesse pelos “direitos humanos” dos infelizes norte-coreanos.
            “Eu não tinha ideia (...) e achei que a mão toda seria cortada na altura do pulso, de modo que fiquei grato por apenas meu dedo ter sido amputado parcialmente”, disse o mutilado Shin Dong-hyuk, assim punido pelo mero fato de derrubar uma máquina de costura. Shin, aliás, já nasceu num campo de prisioneiros chamado Campo 14, pois o regime prende a família toda caso não goste de alguém dela. Shin foi forçado a assistir a execução de sua mãe e de seu irmão.

Em seu livro, Shin Dong-hyuk descreve o inferno carcerário socialista
Em seu livro, Shin Dong-hyuk descreve o inferno carcerário socialista


            “Eu acho que esta é a primeira e última esperança que resta”, disse ele aos burocratas da ONU. Há entre 150 e 200 mil pessoas nos campos de concentração norte-coreanos, muitas delas subnutridas e obrigadas a trabalhar até a morte.
            Jee Heon-a, 34 anos, descreveu o estado dos prisioneiros no campo de horrores socialista:
            “Os olhos de todos eram fundos. Todos se pareciam com animais. Rãs eram penduradas nos botões de suas roupas dentro de um saco plástico”, ela disse. “Eles comiam isso e foi o que eu fiz”. Jee respirou fundo quando descreveu em detalhes como uma mãe foi forçada a matar seu próprio bebê recém-nascido. “Foi a primeira vez que vi um bebê recém-nascido e eu estava feliz. Mas de repente, ouvi passos e um guarda entrou e disse à mãe para colocar o bebê de cabeça para baixo em uma bacia com água”, contou.

            “A mãe implorou ao guarda para poupá-la daquele sacrifício, mas ele continuou espancando a mulher. Então a mãe, com as mãos trêmulas, mergulhou a cabeça do bebê na água. O choro parou, uma borbulha sumiu e o bebê morreu. Uma avó que fez o parto, silenciosamente o levou dali”.

            Contudo, Kim Jong Un, o mais recente ditador, não dá sinais de se impressionar pela Comissão da ONU que emitiu um relatório com esses crimes. Ele não pensa em mudar a cruel ditadura comunista instalada por seu pai e herdada de seu avô, com apoio escancarado da China, e o apoio subreptício de muitos líderes ocidentais – civis e eclesiásticos – que falam pelos "pobres", pelos "marginalizados", pelos que sofrem injustiça, mas nunca pronunciaram uma palavra sequer que pudesse incomodar os tiranos socialistas do mundo.

SE É ISSO QUE VOCÊ QUER PARA O SEU PAÍS, VÁ EM FRENTE E CONTINUE VOTANDO NOS “SUCIALISTAS” TUPINIQUINS. ELES ESTÃO SE INSTALANDO NO PODER PARA DESTRUIR A DEMOCRACIA A PARTIR DA IGNORÂNCIA E DA FALTA DE DISCERNIMENTO DA FALSA CIDADANIA, QUE MINA QUALQUER ESTRUTURA DEMOCRÁTICA. ( Francisco Vianna )

Um comentário:

  1. Nunca mais visto uma camisa
    vermelha na vida !!!

    ResponderExcluir