segunda-feira, 9 de maio de 2011

O mestre de Lenin e o catecismo revolucionário.

O Catecismo Revolucionário, escrito por Netchiaev, pode ser considerado o protótipo do terrorismo moderno. Para um revolucionário, nas idéias do anarquista fanático, não existe família, não existe Deus, não existe pátria, não existe amor, não existe amizade; tudo deve ser sacrificado pela causa revolucionária. Ele acabou fundando um grupelho de fanáticos, chamado “Narodnaye Volia”, “A Vontade do Povo”, cuja temática era a lealdade grupal sectária, no sentido de controlar os passos de cada militante. Curioso é pensar que um grupo de fanáticos se auto-afirmem a vontade popular, ainda que o povo não fosse consultado para isso. Cada discípulo, em nome do grupo, era obrigado a obedecer e delatar qualquer desvio contrário às idéias desse movimento. E a causa primeira de tudo era a revolução. Pela revolução era permitido trair, matar, aterrorizar, roubar e fazer qualquer coisa pela causa. Enfim, a mesma coesão obrigava o militante a se desumanizar e despersonalizar completamente, através de uma obediência cega e irrefletida ao grupo, tal como uma seita iniciática. Essa despersonalização era a destruição da consciência moral. E como o conceito “moral”, por assim dizer, era fazer tudo pela “revolução”, logo, matar, roubar, destruir era válido, contanto que favorecesse a causa. Essa era a “moralidade” da causa. Netchiaev ficou famoso quando um dissidente de seu grupo quis sair do movimento e, como prova de lealdade, obrigou um de seus discípulos para que matasse o recalcitrante. Estrangulado, o rapaz ainda levou um tiro na cabeça do próprio Netchiaev. Entre seus correligionários, havia a adesão cega e o terror. Quem não obedecesse seria morto.
O crime chocou a sociedade russa do século XIX e serviu de inspiração a um dos maiores romances de todos os tempos: “Os Demônios”, de Dostoievski. Décadas mais tarde, a Rússia foi dominada pelos discípulos de Netchiaev: a revolução russa de 1917, quando os bolcheviques tomam o poder e iniciam o terror em massa contra a população civil. Lênin era o mais notório discípulo de Netchiaev, já que sua militância já provinha, de longa data, das atividades terroristas do populismo russo. Um exemplo claro de sua psicologia já se revela exposta em 1891: quando houve a grande crise de fome na Rússia, a grande maioria da população, incluindo os nobres e a família do czar, mediu esforços para salvar os camponeses da fome. Toneladas de alimentos e recursos foram doados para combater a miséria. Lênin foi um dos poucos russos que condenaram as doações de alimentos. Nas palavras dele, as doações de alimentos evitariam o processo revolucionário e, em suas conclusões, os camponeses deviam ser deixados morrer de fome, para explodir a revolução. Na prática, isso custou caro à Rússia: em 1921, Lênin, como ditador, causou a segunda maior fome da história russa, matando cinco milhões de seus concidadãos de fome. A dimensão da tragédia da fome na época de Lênin só foi superada pelo seu substituto Stalin, com a fome ucraniana de 1929 a 1932.
De fato, se o terrorismo moderno ganhou várias vertentes, o comunismo foi um dos movimentos que mais contribuíram para a disseminação do terror. Em particular, na América Latina, esse convite ao crime teve várias manifestações em grupos terroristas violentos, de inspiração comunista, financiados pela própria União Soviética e, posteriormente, por Cuba: a expansão de focos de guerrilha, no intento de destruir as democracias e implantar regimes totalitários no continente. As cenas que veremos agora demonstram claramente como o espírito de Netchiaev e de Lênin dominaram os trópicos no século XX e ainda ameaçam a América Latina, com a ascensão das esquerdas na Venezuela, Bolívia, Argentina e Brasil. O comunismo revolucionário na América Latina é parte do mesmo processo que assolou o século XX: violência e terror de forma indiscriminada.
*Gracialavida, por e-mail, via resistência democrática.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário